Governo encerra IV Festival Sergipano de Artes Cênicas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 01/05/2018 às 05:33:00

 

Um mês inteiro de programação artística e de capacitação. Assim foi a quarta edição do Festival Sergipano de Artes Cênicas, promovido pelo Governo do Estado, através da Secretaria da Cultura. O projeto, que já está consolidado no calendário artístico de Sergipe, levou em 2018, inúmeras apresentações de teatro e dança para os teatros Atheneu e Tobias Barreto, e para a Praça Fausto Cardoso, além apresentações nas cidades de  Indiaroba, Lagarto, Poço Redondo, São Cristóvão, entre outras.
Uma novidade da edição de 2018 do Festival foi a realização de espetáculos em instituições filantrópicas. A creche Almir do Picolé, o Grupo de Apoio à Criança com Câncer (GACC), a  Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), além do CEU Abraão Crispim Filho, no bairro Olaria, foram contempladas e tiveram tardes de lazer e cultura para as crianças e famílias assistidas por essas instituições.
De acordo com o secretário de Estado da Cultura, João Augusto Gama, a Secult cumpre seu papel de fomentador da cultura com a realização de mais uma edição do Festival de Artes Cênicas. "Promovemos o acesso a espetáculos gratuitamente para a população, além de oferecer cursos para àqueles que estão envolvidos no meio artístico". O secretário lembra ainda que o Festival só foi possível ser realizado graças ao Fundo de Desenvolvimento Cultural e Artístico (Funcart), e o apoio do Conselho Estadual de Cultura.
Últimos dias - A programação do último final de semana foi recheada de atrações. Na sexta-feira, 27, a Praça Fausto Cardoso, centro de Aracaju, recebeu o espetáculo "O Amor de Filipe e Maria e a peleja de Zérramo e Lampião", com o grupo Joézia Ramos e o Teatro do Cordel da Rabeca. Já à noite, o espetáculo "Dando Nó em Pingo D'água", da Companhia Eitcha de Teatro, aportou na Praça do Conjunto Prisco Viana, na Barra dos Coqueiros. Ainda na sexta, a apresentação "Conto de Grió", da Hecta -  História Encena Coletivo de Teatro Afro, encantou a população da Maloca, no Centro de Criatividade.
No sábado, 28, foi a vez da esperada Maratona de Dana invadir o Teatro Tobias Barreto. Durante a noite, a Concha Acústica do Centro de Criatividade recebeu o segundo e último espetáculo da temporada. " Anauê", da Ginká- Coletivo Afro Contemporâneo de Sergipe, levou mais uma vez a temática afro para a população do quilombo urbano da Maloca, e atraiu centenas de pessoas para prestigiar a apresentação.
O Mestre Saci Quilombola, morador da região da Maloca desde criança, apontou que o retorno dessas atividades são muito importantes para reerguer a tradição do espaço. "O Centro de Criatividade é uma das casas culturais mais antigas do Estado. Espero que a valorização nesta nova fase do espaço venha não só o Governo, mas por parte da nossa população também", completou.

Um mês inteiro de programação artística e de capacitação. Assim foi a quarta edição do Festival Sergipano de Artes Cênicas, promovido pelo Governo do Estado, através da Secretaria da Cultura. O projeto, que já está consolidado no calendário artístico de Sergipe, levou em 2018, inúmeras apresentações de teatro e dança para os teatros Atheneu e Tobias Barreto, e para a Praça Fausto Cardoso, além apresentações nas cidades de  Indiaroba, Lagarto, Poço Redondo, São Cristóvão, entre outras.
Uma novidade da edição de 2018 do Festival foi a realização de espetáculos em instituições filantrópicas. A creche Almir do Picolé, o Grupo de Apoio à Criança com Câncer (GACC), a  Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE), além do CEU Abraão Crispim Filho, no bairro Olaria, foram contempladas e tiveram tardes de lazer e cultura para as crianças e famílias assistidas por essas instituições.
De acordo com o secretário de Estado da Cultura, João Augusto Gama, a Secult cumpre seu papel de fomentador da cultura com a realização de mais uma edição do Festival de Artes Cênicas. "Promovemos o acesso a espetáculos gratuitamente para a população, além de oferecer cursos para àqueles que estão envolvidos no meio artístico". O secretário lembra ainda que o Festival só foi possível ser realizado graças ao Fundo de Desenvolvimento Cultural e Artístico (Funcart), e o apoio do Conselho Estadual de Cultura.
Últimos dias - A programação do último final de semana foi recheada de atrações. Na sexta-feira, 27, a Praça Fausto Cardoso, centro de Aracaju, recebeu o espetáculo "O Amor de Filipe e Maria e a peleja de Zérramo e Lampião", com o grupo Joézia Ramos e o Teatro do Cordel da Rabeca. Já à noite, o espetáculo "Dando Nó em Pingo D'água", da Companhia Eitcha de Teatro, aportou na Praça do Conjunto Prisco Viana, na Barra dos Coqueiros. Ainda na sexta, a apresentação "Conto de Grió", da Hecta -  História Encena Coletivo de Teatro Afro, encantou a população da Maloca, no Centro de Criatividade.
No sábado, 28, foi a vez da esperada Maratona de Dana invadir o Teatro Tobias Barreto. Durante a noite, a Concha Acústica do Centro de Criatividade recebeu o segundo e último espetáculo da temporada. " Anauê", da Ginká- Coletivo Afro Contemporâneo de Sergipe, levou mais uma vez a temática afro para a população do quilombo urbano da Maloca, e atraiu centenas de pessoas para prestigiar a apresentação.
O Mestre Saci Quilombola, morador da região da Maloca desde criança, apontou que o retorno dessas atividades são muito importantes para reerguer a tradição do espaço. "O Centro de Criatividade é uma das casas culturais mais antigas do Estado. Espero que a valorização nesta nova fase do espaço venha não só o Governo, mas por parte da nossa população também", completou.