Belivaldo busca melhorias para agilizar atendimento no Huse

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 03/05/2018 às 06:12:00

 

O governador Belivaldo Chagas reuniu-se na manhã desta quarta-feira (02) com o secretário de Estado da Saúde, Almeida Lima, com o superintendente do Hospital de Urgência de Sergipe - Huse, Darcy Tavares, com o presidente interino da Fundação Hospitalar de Saúde - FHS, Ramom Guerra, e alguns servidores da unidade para tratar de assuntos relacionados à melhoria de atendimento no maior hospital público do estado. É a primeira vez que um governador despacha administrativamente diretamente do hospital.
Segundo Belivaldo, neste momento, a prioridade é diminuir as filas na unidade, agilizar os exames e procedimentos cirúrgicos para que a população não precise passar por uma longa espera. Para isso, serão reallizadas reuniões quinzenais com a direção da unidade. "Neste primeiro momento, até ajustar o que a gente estabeleceu aqui e conseguir acelerar o atendimento, a ideia é que façamos reuniões de trabalho como essa pelo menos a cada 15 dias. Pretendemos, assim, criar uma sintonia entre a rede para desobstruir as filas que temos aqui, principalmente com relação às cirurgias de um modo geral. Com isso, creio que a gente vai melhorar o atendimento do Huse".
Mais uma vez, o governador destacou que otimizar o atendimento no Huse exige o diálogo constante com todos que compõem a rede de Saúde no estado. "A gente já está conseguindo desobstruir as filas. A partir de um entendimento que estamos tendo com o Hospital de Cirurgia, que nos fornece vagas, automaticamente a gente está tendo como fazer algumas das transferências necessárias. E também, internamente, o Dr. Darcy tem conversado com a equipe do Huse como um todo e algumas cirurgias já estão acontecendo de forma mais célere, mas não ainda na velocidade que gostaríamos. Para melhorar isso, hoje, conversamos especificamente sobre exames de imagem que também estão represados e que precisam acontecer de forma imediata, para que a gente defina o tipo de cirurgia e, a partir daí, façamos essa fila andar. Não depende apenas do médico, do profissional, mas também depende de exames que precisam ser feitos mais agilmente. 

O governador Belivaldo Chagas reuniu-se na manhã desta quarta-feira (02) com o secretário de Estado da Saúde, Almeida Lima, com o superintendente do Hospital de Urgência de Sergipe - Huse, Darcy Tavares, com o presidente interino da Fundação Hospitalar de Saúde - FHS, Ramom Guerra, e alguns servidores da unidade para tratar de assuntos relacionados à melhoria de atendimento no maior hospital público do estado. É a primeira vez que um governador despacha administrativamente diretamente do hospital.
Segundo Belivaldo, neste momento, a prioridade é diminuir as filas na unidade, agilizar os exames e procedimentos cirúrgicos para que a população não precise passar por uma longa espera. Para isso, serão reallizadas reuniões quinzenais com a direção da unidade. "Neste primeiro momento, até ajustar o que a gente estabeleceu aqui e conseguir acelerar o atendimento, a ideia é que façamos reuniões de trabalho como essa pelo menos a cada 15 dias. Pretendemos, assim, criar uma sintonia entre a rede para desobstruir as filas que temos aqui, principalmente com relação às cirurgias de um modo geral. Com isso, creio que a gente vai melhorar o atendimento do Huse".
Mais uma vez, o governador destacou que otimizar o atendimento no Huse exige o diálogo constante com todos que compõem a rede de Saúde no estado. "A gente já está conseguindo desobstruir as filas. A partir de um entendimento que estamos tendo com o Hospital de Cirurgia, que nos fornece vagas, automaticamente a gente está tendo como fazer algumas das transferências necessárias. E também, internamente, o Dr. Darcy tem conversado com a equipe do Huse como um todo e algumas cirurgias já estão acontecendo de forma mais célere, mas não ainda na velocidade que gostaríamos. Para melhorar isso, hoje, conversamos especificamente sobre exames de imagem que também estão represados e que precisam acontecer de forma imediata, para que a gente defina o tipo de cirurgia e, a partir daí, façamos essa fila andar. Não depende apenas do médico, do profissional, mas também depende de exames que precisam ser feitos mais agilmente.