MP de Contas requer análise em gastos dos municípios com escritórios de contabilidade

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O procurador-geral João Augusto Bandeira de Mello
O procurador-geral João Augusto Bandeira de Mello

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/05/2018 às 04:27:00

O Ministério Público de Contas elaborou estudo acerca dos serviços prestados pelos escritórios de contabilidade junto aos municípios sergipanos no ano de 2016. O resultado foi apresentado pelo procurador-geral João Augusto Bandeira de Mello na sessão plenária do Tribunal de Contas do Estado (TCE/SE).
Conforme Bandeira, o trabalho constatou uma variação "não natural" nos preços dos serviços praticados que deve ser objeto de análise. "Por exemplo, municípios com Câmaras menores gastando mais com contratos que outros municípios maiores; e uma grande diferença no preço dos serviços prestados entre um e outro município", comentou Bandeira.
Na representação o procurador geral pede que o estudo seja distribuído às coordenadorias técnicas do Tribunal para que seja um ponto de auditoria nas contas de 2016 que estão em análise.
"Nas contas de municípios, além da questão geral de ver os demonstrativos, tem uma contratação principal, que é a dos escritórios de contabilidade e baseados nisso e nesse estudo gostaríamos que em cada conta fosse analisado esse contrato de prestação de serviço", comentou Bandeira.