Entrar no Silêncio do Espírito

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 08/05/2018 às 05:49:00

 

* Paiva Netto
Meus Amigos e meus Irmãos, façamos nosso Minuto de Silêncio. Já expliquei, muitas vezes, que o silêncio a que me refiro não é apenas o material, trata-se do espiritual, aquele que você consegue em meio à maior balbúrdia. Se este é o seu caso, já controla seus nervos do corpo e da Alma. Esclareci, à saciedade, àqueles que falam ou escrevem para mim: "Irmão Paiva, faço um grande esforço para entrar no silêncio, mas meus vizinhos são uma barulheira tremenda; as minhas crianças também... Parece uma creche a minha casa: correm pra cá, pra lá".
E eu respondo: deixem a meninada correr! Criança parada, em geral, encontra-se enferma. Dificilmente está bem de saúde. Ela tem de expressar a sua energia, precisa mover-se. Não se deve "algemar" a criançada.
"Ah, mas há uma barulhenta obra aqui do lado. Um horror!"
Não adianta vir com justificativa. É necessário aprender a entrar no Silêncio. Contudo, no que vem do Espírito.
Já dei o exemplo de quem viaja de ônibus, ou de metrô, ou mesmo de avião, mas que consegue concentrar-se no Silêncio da Alma.
Passa a simpática aeromoça: "O que o senhor deseja beber? O que gostaria de comer?"
Alguém grita no abarrotado trem suburbano: "Tira a mão do meu bolso!"
Coisas desse tipo ocorrem e, no entanto, quantas pessoas às vezes estão absortas nos seus pensares, indiferentes à balbúrdia circundante. Esperamos que sejam bons pensamentos...
Alguns, em volta, até gritam: "Eh, o camarada ali está desligado!"
Mas o que acontece é que, como nunca estamos espiritualmente sozinhos, ele pode estar dialogando com o seu Anjo Guardião, ou então com um obsessor. Aí é ruim! Por isso, temos de permanecer na faixa de Deus, o Grande Decifrador de todos os mistérios (Apocalipse de Jesus, 10:7) e Apaziguador de nossos conflitos interiores (Evangelho do Cristo, segundo João, 4:27).
Como diz o nosso amigo Flexa Dourada*: "Os problemas estão na Terra, a solução, no Alto". Em Deus, naturalmente!
Entremos, portanto, em sintonia permanente com aqueles que se encontram na Espiritualidade Superior: o Reino de Deus, do Cristo e do Espírito Santo ou Espírito da Verdade ou Paráclito, que vem descendo até nós, na descrição confortadora da Nova Jerusalém (Apocalipse, 21:2 e 10):
"2 Eu, João, vi também a Cidade Santa, a Nova Jerusalém, que da parte de Deus descia do céu, vestida como noiva adornada para o seu esposo.
"10 E ele me transportou, em Espírito, a uma grande e elevada montanha, e me mostrou a Cidade Santa, Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus".
Isso vem ao encontro de importante fundamento doutrinário da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo: "O segredo do governo dos povos é unir a Humanidade da Terra à Humanidade do Céu", o que historicamente sucederá com a chegada espiritual da Nova Jerusalém (Apocalipse, capítulo 21).
Apesar do alarido, a despeito da algazarra, da confusão do mundo, entremos no Silêncio, isto é, na Sintonia de Deus. E como a nossa vida vai melhorar! Porque o ensinamento é do Cristo: "Vigiai e orai, para que não entreis em tentação" (Evangelho, segundo Marcos, 14:38, e Mateus, 26:41).
* José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.

* Paiva Netto


Meus Amigos e meus Irmãos, façamos nosso Minuto de Silêncio. Já expliquei, muitas vezes, que o silêncio a que me refiro não é apenas o material, trata-se do espiritual, aquele que você consegue em meio à maior balbúrdia. Se este é o seu caso, já controla seus nervos do corpo e da Alma. Esclareci, à saciedade, àqueles que falam ou escrevem para mim: "Irmão Paiva, faço um grande esforço para entrar no silêncio, mas meus vizinhos são uma barulheira tremenda; as minhas crianças também... Parece uma creche a minha casa: correm pra cá, pra lá".
E eu respondo: deixem a meninada correr! Criança parada, em geral, encontra-se enferma. Dificilmente está bem de saúde. Ela tem de expressar a sua energia, precisa mover-se. Não se deve "algemar" a criançada.
"Ah, mas há uma barulhenta obra aqui do lado. Um horror!"
Não adianta vir com justificativa. É necessário aprender a entrar no Silêncio. Contudo, no que vem do Espírito.
Já dei o exemplo de quem viaja de ônibus, ou de metrô, ou mesmo de avião, mas que consegue concentrar-se no Silêncio da Alma.
Passa a simpática aeromoça: "O que o senhor deseja beber? O que gostaria de comer?"
Alguém grita no abarrotado trem suburbano: "Tira a mão do meu bolso!"
Coisas desse tipo ocorrem e, no entanto, quantas pessoas às vezes estão absortas nos seus pensares, indiferentes à balbúrdia circundante. Esperamos que sejam bons pensamentos...
Alguns, em volta, até gritam: "Eh, o camarada ali está desligado!"
Mas o que acontece é que, como nunca estamos espiritualmente sozinhos, ele pode estar dialogando com o seu Anjo Guardião, ou então com um obsessor. Aí é ruim! Por isso, temos de permanecer na faixa de Deus, o Grande Decifrador de todos os mistérios (Apocalipse de Jesus, 10:7) e Apaziguador de nossos conflitos interiores (Evangelho do Cristo, segundo João, 4:27).
Como diz o nosso amigo Flexa Dourada*: "Os problemas estão na Terra, a solução, no Alto". Em Deus, naturalmente!
Entremos, portanto, em sintonia permanente com aqueles que se encontram na Espiritualidade Superior: o Reino de Deus, do Cristo e do Espírito Santo ou Espírito da Verdade ou Paráclito, que vem descendo até nós, na descrição confortadora da Nova Jerusalém (Apocalipse, 21:2 e 10):
"2 Eu, João, vi também a Cidade Santa, a Nova Jerusalém, que da parte de Deus descia do céu, vestida como noiva adornada para o seu esposo.
"10 E ele me transportou, em Espírito, a uma grande e elevada montanha, e me mostrou a Cidade Santa, Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus".
Isso vem ao encontro de importante fundamento doutrinário da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo: "O segredo do governo dos povos é unir a Humanidade da Terra à Humanidade do Céu", o que historicamente sucederá com a chegada espiritual da Nova Jerusalém (Apocalipse, capítulo 21).
Apesar do alarido, a despeito da algazarra, da confusão do mundo, entremos no Silêncio, isto é, na Sintonia de Deus. E como a nossa vida vai melhorar! Porque o ensinamento é do Cristo: "Vigiai e orai, para que não entreis em tentação" (Evangelho, segundo Marcos, 14:38, e Mateus, 26:41).
* José de Paiva Netto, jornalista, radialista e escritor.