Após paralisação e ato, direção do Sintese é recebida pelo governador

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Dirigentes do SiNtese durante audiência com o governador Belivaldo Chagas
Dirigentes do SiNtese durante audiência com o governador Belivaldo Chagas

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 10/05/2018 às 00:30:00

 

Na tarde após o ato 
público em frente 
ao Palácio de Despachos a comissão de negociação da rede estadual foi recebida pelo governador Belivaldo Chagas. O chefe do Poder Executivo estadual ouviu a reafirmação da pauta da rede estadual e marcou audiência com o secretário da Fazenda, Ademario Alves de Jesus, para o dia 18 às 15h.
"Para o SINTESE, o agendamento dessa audiência com o secretário da Fazenda aponta na perspectiva de que se vá além da fala da falta de recursos. A expectativa da direção do sindicato e da categoria como um todo é que o governo apresente alternativas para reconstruir a carreira do magistério", afirma a presidenta do SINTESE.
Os dirigentes também reforçaram o caráter excludente do atual modelo de Ensino Médio em Tempo Integral e apresentaram a proposta para que as duas modalidades (integral e parcial) possam ser oferecidas nas escolas. O governador acenou a possibilidade de encaminhamento, mas solicitou que o sindicato formalize a proposta.
'Acorda Belivaldo' - "Acorda Beli, acorda governo. Acorda pessoal, vem consertar o desmantelo". Foi com esse refrão que professoras e professoras da rede estadual da capital e do interior mostraram a sua indignação no ato realizado na manhã desta quarta, 09, em frente ao Palácio de Despachos.
"É preciso que Belivaldo Chagas acorde para a Educação. A pauta do magistério não é desconhecida para ele. Ele sabe dos problemas. Esse governo precisa priorizar a Educação", disse o vice-presidente, Roberto Silva dos Santos.
Os diversos problemas das escolas da rede estadual também foram apresentados durante o ato. A caixa d´água do Colégio Estadual Dr. Garcia Filho em Umbaúba está condenada, falta docentes de Português e Inglês.
"O muro está caindo, a alimentação escolar não tem variedade. É isso que vivemos no 'centro de excelência' 28 de janeiro em Monte Alegre", desabafa o estudante do terceiro ano Rafael.
Em Itabaiana o transporte escolar há anos tem sido problemático. Estudantes ficam sem ter como assistir as aulas, pois a Secretaria de Estado da Educação não faz os pagamentos as empresas que fazem o transporte.
Abaixo assinado - Ao final do ato foi protocolado abaixo assinado em favor da capitalização do Sergipeprevidência. No documento o SINTESE apresenta propostas para capitalizar o fundo previdenciário.
"Protocolamos ao governador o abaixo assinado com nossas propostas, pois a previdência não é só uma preocupação de quem está hoje aposentado, mas também do servidor público da ativa", aponta a diretora do Departamento de Aposentados do SINTESE, Maria Luci Lima Santos.

Na tarde após o ato  público em frente  ao Palácio de Despachos a comissão de negociação da rede estadual foi recebida pelo governador Belivaldo Chagas. O chefe do Poder Executivo estadual ouviu a reafirmação da pauta da rede estadual e marcou audiência com o secretário da Fazenda, Ademario Alves de Jesus, para o dia 18 às 15h.
"Para o SINTESE, o agendamento dessa audiência com o secretário da Fazenda aponta na perspectiva de que se vá além da fala da falta de recursos. A expectativa da direção do sindicato e da categoria como um todo é que o governo apresente alternativas para reconstruir a carreira do magistério", afirma a presidenta do SINTESE.
Os dirigentes também reforçaram o caráter excludente do atual modelo de Ensino Médio em Tempo Integral e apresentaram a proposta para que as duas modalidades (integral e parcial) possam ser oferecidas nas escolas. O governador acenou a possibilidade de encaminhamento, mas solicitou que o sindicato formalize a proposta.
'Acorda Belivaldo' - "Acorda Beli, acorda governo. Acorda pessoal, vem consertar o desmantelo". Foi com esse refrão que professoras e professoras da rede estadual da capital e do interior mostraram a sua indignação no ato realizado na manhã desta quarta, 09, em frente ao Palácio de Despachos.
"É preciso que Belivaldo Chagas acorde para a Educação. A pauta do magistério não é desconhecida para ele. Ele sabe dos problemas. Esse governo precisa priorizar a Educação", disse o vice-presidente, Roberto Silva dos Santos.
Os diversos problemas das escolas da rede estadual também foram apresentados durante o ato. A caixa d´água do Colégio Estadual Dr. Garcia Filho em Umbaúba está condenada, falta docentes de Português e Inglês.
"O muro está caindo, a alimentação escolar não tem variedade. É isso que vivemos no 'centro de excelência' 28 de janeiro em Monte Alegre", desabafa o estudante do terceiro ano Rafael.
Em Itabaiana o transporte escolar há anos tem sido problemático. Estudantes ficam sem ter como assistir as aulas, pois a Secretaria de Estado da Educação não faz os pagamentos as empresas que fazem o transporte.
Abaixo assinado - Ao final do ato foi protocolado abaixo assinado em favor da capitalização do Sergipeprevidência. No documento o SINTESE apresenta propostas para capitalizar o fundo previdenciário.
"Protocolamos ao governador o abaixo assinado com nossas propostas, pois a previdência não é só uma preocupação de quem está hoje aposentado, mas também do servidor público da ativa", aponta a diretora do Departamento de Aposentados do SINTESE, Maria Luci Lima Santos.