João Daniel alerta para as consequências do projeto entreguista deste governo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O deputado federal João Daniel
O deputado federal João Daniel

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 13/05/2018 às 00:14:00

Passados 21 anos da pri-vatização da Compa-nhia Vale do Rio Doce, a venda da mineradora, no período do governo Fernando Henrique Cardoso, ainda continua sendo um escândalo. O episódio e as tentativas daquele governo em também entregar a Petrobras e outras empresas - intento que não conseguiu à época - foram lembrados pelo deputado federal João Daniel (PT/SE), quando também alertou para o desejo do atual governo em privatizar empresas nacionais e os prejuízos que podem acontecer ao país e à soberania nacional.

Esta semana, o parlamentar participou, no Salão Nobre da Câmara dos Deputados, do lançamento da Frente em Defesa do Petróleo Brasileiro. Ele relatou que três grandes empresas nacionais importantes estão ameaçadas e sendo colocadas a serviço, neste momento, do governo golpista para os interesses do grande capital: todo o Sistema Eletrobras, a Petrobras e os Correios. "O que estamos acompanhando é um absurdo. É um governo que não tem nenhum compromisso nacional, que não tem nenhum interesse com o país e que coloca o Brasil no futuro como está sendo feito neste momento na Argentina", disse.

João Daniel lembrou que a base do governo, até bem pouco tempo, falava bem do governo argentino e hoje a Argentina vive uma situação crítica do ponto de vista econômico. "Lá, estourou a inflação, estourou o desemprego e o governo Macri se ajoelhou aos pés do FMI [Fundo Monetário Internacional] para buscar empréstimo". Na avaliação do parlamentar, esse é o caminho do Brasil, com o golpe e com esse modelo que está sendo implantado neste momento. "É o caminho do desemprego, da desnacionalização, da entrega da soberania nacional e do caos total que estão virando as nossas cidades e os Estados", disse, ao acrescentar que os governos estaduais e as prefeituras estão totalmente abandonados pelo governo federal, porque este coloca verbas hoje, não mais do ponto de vista republicano, mas na base do troca-troca, do esquema político mais perverso que o nosso país já viu, avaliou João Daniel.

O deputado ressaltou que, através de sua base, este governo golpista vai tentar eleger para a próxima Legislatura os mesmos, ou os novos que continuarão entregando este projeto de Nação brasileira. João Daniel também lamentou a postura do presidente da Petrobras, Pedro Parente, que nada tem feito do que havia sido acordado em reunião com parlamentares e governos estaduais sobre a situação de desativação da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen) em Sergipe e na Bahia.
 "Pelo contrário! Nesses dois estados está sendo feita a transferência de funcionários da Fafen para desmontar as empresas. O acordo com a bancada de Sergipe e da Bahia e os dois governadores era a suspensão de qualquer desativação para que após o período acordado viesse a ser discutida uma proposta feita pelos dois Estados junto com a Petrobras. Todos nós sabemos que fechar, vender ou privatizar as duas Fafens para as empresas russas, chinesas, americanas ou europeias é parte do compromisso deste governo golpista que não tem compromisso nacional", disse, ressaltando que continuará a luta em defesa do Brasil, das empresas estatais, de um projeto nacional e em defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A Companhia Vale do Rio Doce foi privatizada em maio de 1997, no governo Fernando Henrique Cardoso. A empresa que valia, à época, ao menos R$ 100 bilhões, mas foi vendida por R$ 3,3 bilhões. "Um escândalo até hoje", afirmou João Daniel. A empresa tinha instalação em 140 cidades, 11 países, tendo sido fundada em 1942 com suor, sangue e trabalho do povo brasileiro.