O POÇO SEM FUNDO DO FUNDO PARTIDÁRIO

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 13/05/2018 às 00:14:00

É impossível esperar que haja decência, correção, em um quadro político que sevem deteriorando, e a tal ponto que deu lugar ao surgimento de partidos, contados às dezenas. São mais de trinta. Desses , mais da metade é criação de picaretas que se acumpliciam,  atraídos pelas ¨facilidades ¨  da política  nada decente,  em certos casos,  tanto  assemelhada aos valhacoutos onde  se escondem bandidos de todos os matizes.

Desgraçadamente, a política brasileira,de  tanto vaguear pelos espaços da transgressão,  foi afastando os idealistas, e dando lugar a refinados malandros. Um Parlamento, como o nosso, onde, nas suas duas Casas, convivem livremente mais de duzentos capadócios de carteirinha,é a maior prova de que a dignidade, ali, cada vez mais se refugia  em pequenos espaços, sufocada pelo poderio de uma ala sem vestígio de escrúpulos, que, pela pratica  ostensiva da chantagem, amplia  influência, e faz sentir o seu peso em todas as decisões,  deixando sua marca em todos os escândalos. A máfia parlamentar gerou os mensalões, o petrolão, os doleiros, e tudoonde estejam as digitais dos agentes públicos, adeptos, sem constrangimentos , do peculato amplo e irrestrito.

 Assim, naturalizou-se a indecência. A coisa é tão grave, que para o povo , politica se tornou  sinônimo de indignidade. Os políticos, são,quase todos, colocados no fundo do poço, e  avaliados da pior forma possível.
Devastaram até os chamados fundos partidários, aquele volume não desprezível de dinheiro colocado à disposição dos partidos. Não se poderia esperar outra coisa, basta verificar que tipo de gente costuma apossar-se desses partidos, e quantos deles têm ¨sucesso ¨, ou seja, enchem os bolsos e conquistam mandatos.

  Para os males que assolam a vida pública brasileira, não há soluções a curto, ou nem mesmo a médioprazos. Para problemas graves, são exigidas soluções compatíveis com a dimensão do desacerto, contudo, a história nos mostra que a demonização pura e simples da política, apenasabre caminho largo para os demagogos. Esses,juntam a lábia ao porrete, e entram em cena com a fantasia  de salvadores, que é antiga e surrada, todavia, sempre há quem as retire dos armários, dando-lhes uma escovada de farsas, para que se tornem atraentes aos incautos, desatentos, ou simplórios.