Saúde confirma morte de bebê por gripe H1N1

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A vacinação contra gripe prossegue até o final do mês
A vacinação contra gripe prossegue até o final do mês

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 15/05/2018 às 05:05:00

 

Gabriel Damásio
A Secretaria Estadual 
de Saúde (SES) con-
firmou ontem o primeiro caso de morte causada pela gripe H1N1 no estado. A vítima é uma bebê do sexo feminino que tinha cinco meses e que estava internada desde o dia 5no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse),com quadro de broncopneumonia, mas morreu no último sábado.A criança era da cidade de Itabaiana (Agreste). Uma análise feita pelo Laboratório Central de Saúdede Sergipe (Lacen) confirmou o diagnóstico do vírus Influenza tipo 'A', o que de acordo com a diretora do núcleo de doenças transmissíveis da SES, Mércia Feitosa,pode ter contribuído para o agravamento do quadro de saúde do bebê. 
"Nesse ínterim, ela já estava sendo tratada e medicada adequadamente para H1N1, mas a idade dela, por si só, já é fator de risco. E o quadro com o qual ela já deu entrada, de insuficiência respiratória, a evolução não foi satisfatória durante este período. E infelizmente, ela terminou com o óbito desta criança", disse Mércia, explicando que uma equipe da secretaria esteve em contato com a rede de saúde de Itabaiana e passou orientações para identificar e trataroutros casos suspeitos de gripe influenza no território, bem como reforçar a vacinação da população. Um novo protocolo de atendimento a estes casos também foi adotado na rede estadual. 
Desde janeiro deste ano, 224 amostrasde sangue com casos suspeitos de gripe já foram examinadas pelo Lacen. Deste total, 37 apresentaram resultados positivos, sendo 32 para H1N1, dois para H3N2, quatro para Influenza 'A' não subtipado e um para Influenza 'B'. Outras 12 amostras ainda precisam ser finalizadas pelo laboratório para que o resultado seja confirmado - ou descartado - para gripe. "Destes, muitos foram pra casa, receberam alta e seguiram tratamento com medicação oral. Tem criança hospitalizada e a gente espera que a evolução da saúde também seja adequada, entendendo que a criança tem uma situação pouco mais preocupante por causa da idade", afirmou Mércia. 
As autoridades de saúde alertam para o crescimento dos casos de gripe com a aproximação do inverno. Por conta disto, a campanha de vacinação foi prorrogada até o dia 1º de junho, com prioridade para  idosos a partir de 60 anos, crianças entre seis meses e cinco anos, grávidas, mães que tiveram bebês recentemente, indígenas, funcionários do sistema prisional, diabéticos, hipertensos e transplantados, pessoas privadas de liberdade, trabalhadores de saúde e, agora, professores da rede pública e particular de ensino. A meta para este ano é que quase 400 mil pessoas sejam vacinadas em Sergipe até o fim da campanha. 
As ocorrências de influenza com um dos subtipos em circulação podem ser detectadas através de sintomas específicos, como dificuldade para respirar, lábios com coloração azulada ou roxeada, dor ou pressão abdominal ou no peito, tontura ou vertigem, vômito persistente e convulsão. A recomendação é de que, caso estes sintomas surjam, o paciente deve procurar a um pronto-socorro ou posto de saúde. 

A Secretaria Estadual  de Saúde (SES) con- firmou ontem o primeiro caso de morte causada pela gripe H1N1 no estado. A vítima é uma bebê do sexo feminino que tinha cinco meses e que estava internada desde o dia 5 no Hospital de Urgência de Sergipe (Huse),com quadro de broncopneumonia, mas morreu no último sábado.A criança era da cidade de Itabaiana (Agreste). Uma análise feita pelo Laboratório Central de Saúdede Sergipe (Lacen) confirmou o diagnóstico do vírus Influenza tipo 'A', o que de acordo com a diretora do núcleo de doenças transmissíveis da SES, Mércia Feitosa,pode ter contribuído para o agravamento do quadro de saúde do bebê. 
"Nesse ínterim, ela já estava sendo tratada e medicada adequadamente para H1N1, mas a idade dela, por si só, já é fator de risco. E o quadro com o qual ela já deu entrada, de insuficiência respiratória, a evolução não foi satisfatória durante este período. E infelizmente, ela terminou com o óbito desta criança", disse Mércia, explicando que uma equipe da secretaria esteve em contato com a rede de saúde de Itabaiana e passou orientações para identificar e trataroutros casos suspeitos de gripe influenza no território, bem como reforçar a vacinação da população. Um novo protocolo de atendimento a estes casos também foi adotado na rede estadual. 
Desde janeiro deste ano, 224 amostrasde sangue com casos suspeitos de gripe já foram examinadas pelo Lacen. Deste total, 37 apresentaram resultados positivos, sendo 32 para H1N1, dois para H3N2, quatro para Influenza 'A' não subtipado e um para Influenza 'B'. Outras 12 amostras ainda precisam ser finalizadas pelo laboratório para que o resultado seja confirmado - ou descartado - para gripe. "Destes, muitos foram pra casa, receberam alta e seguiram tratamento com medicação oral. Tem criança hospitalizada e a gente espera que a evolução da saúde também seja adequada, entendendo que a criança tem uma situação pouco mais preocupante por causa da idade", afirmou Mércia. 
As autoridades de saúde alertam para o crescimento dos casos de gripe com a aproximação do inverno. Por conta disto, a campanha de vacinação foi prorrogada até o dia 1º de junho, com prioridade para  idosos a partir de 60 anos, crianças entre seis meses e cinco anos, grávidas, mães que tiveram bebês recentemente, indígenas, funcionários do sistema prisional, diabéticos, hipertensos e transplantados, pessoas privadas de liberdade, trabalhadores de saúde e, agora, professores da rede pública e particular de ensino. A meta para este ano é que quase 400 mil pessoas sejam vacinadas em Sergipe até o fim da campanha. 
As ocorrências de influenza com um dos subtipos em circulação podem ser detectadas através de sintomas específicos, como dificuldade para respirar, lábios com coloração azulada ou roxeada, dor ou pressão abdominal ou no peito, tontura ou vertigem, vômito persistente e convulsão. A recomendação é de que, caso estes sintomas surjam, o paciente deve procurar a um pronto-socorro ou posto de saúde.