Matadouro de São Francisco será demolido

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/05/2018 às 05:17:00

 

Milton Alves Júnior
Por decisão judicial, 
até o próximo dia 25 
a Prefeitura de São Francisco - município sergipano distante a 67 km da capital, terá que promover a demolição do matadouro. A decisão foi oficializado após profissionais da Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) - coordenada pelos Ministérios Públicos Federal e Estadual com apoio do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), terem identificado uma série de irregularidades no local. De acordo com a administração municipal, há mais de dois anos o espaço não estava funcionando em virtude da falta de condições sanitárias e operacionais. Para evitar punições, a recomendação da FPI é que o serviço seja realizado em locais devidamente legalizados.
De acordo com a a coordenadora da equipe Abate, Salete Dezen, é de fundamental importância que os sergipanos permaneçam colaborando com ações fiscalizatórias do grupo, ao denunciar possíveis ambientes onde a prática ilegal, ou ambiente insalubre, esteja contribuindo para vulnerabilizar a saúde dos consumidores. Ela destaca a medida judicial diante da pressão popular - praticada especialmente por marchantes, os quais exigiam que a Prefeitura de São Francisco, mesmo diante do conjunto de irregularidades, optasse por reabrir o matadouro. A FPI enaltece que o frigorífico Nutrial, que fica na cidade de Propriá, é o mais próximo de São Francisco.
"Felizmente percebemos que essa parceria formada com os demais órgãos de fiscalização, e com os próprios consumidores têm resultado em fiscalizações mais intensificadas e em benefícios para os moradores. Estamos realizando essas rondas e esperamos que esse trabalho unificado permaneça se fortalecendo a favor de todos", declarou". Sobre o processo operacional dos matadouros clandestinos, a Fiscalização Preventiva Integrada informou que abater o animal a marretadas configura-se em crime de maus tratos e pode ter pena de um a três anos de prisão para o causador do sofrimento - quando em flagrante. A multa é de mais de R$ 3 mil.

Por decisão judicial,  até o próximo dia 25  a Prefeitura de São Francisco - município sergipano distante a 67 km da capital, terá que promover a demolição do matadouro. A decisão foi oficializado após profissionais da Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) - coordenada pelos Ministérios Públicos Federal e Estadual com apoio do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco (CBHSF), terem identificado uma série de irregularidades no local. De acordo com a administração municipal, há mais de dois anos o espaço não estava funcionando em virtude da falta de condições sanitárias e operacionais. Para evitar punições, a recomendação da FPI é que o serviço seja realizado em locais devidamente legalizados.
De acordo com a a coordenadora da equipe Abate, Salete Dezen, é de fundamental importância que os sergipanos permaneçam colaborando com ações fiscalizatórias do grupo, ao denunciar possíveis ambientes onde a prática ilegal, ou ambiente insalubre, esteja contribuindo para vulnerabilizar a saúde dos consumidores. Ela destaca a medida judicial diante da pressão popular - praticada especialmente por marchantes, os quais exigiam que a Prefeitura de São Francisco, mesmo diante do conjunto de irregularidades, optasse por reabrir o matadouro. A FPI enaltece que o frigorífico Nutrial, que fica na cidade de Propriá, é o mais próximo de São Francisco.
"Felizmente percebemos que essa parceria formada com os demais órgãos de fiscalização, e com os próprios consumidores têm resultado em fiscalizações mais intensificadas e em benefícios para os moradores. Estamos realizando essas rondas e esperamos que esse trabalho unificado permaneça se fortalecendo a favor de todos", declarou". Sobre o processo operacional dos matadouros clandestinos, a Fiscalização Preventiva Integrada informou que abater o animal a marretadas configura-se em crime de maus tratos e pode ter pena de um a três anos de prisão para o causador do sofrimento - quando em flagrante. A multa é de mais de R$ 3 mil.