Cresce número de marcas, patentes e desenhos industriais no Brasil em 2018

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 20/05/2018 às 13:32:00

 

A notícia que iremos reproduzir adiante aponta um novo horizonte na melhoria da propriedade intelectual no Brasil e uma perspectiva de que os nossos inventores estejam mais motivados a buscarem a inovação e a criação que seja capaz de melhorar as nossas condições de vida na sociedade, isto porque o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), divulgou em comunicado que de janeiro e abril de 2018, a produção de todos os serviços do instituto teve um forte crescimento em comparação ao mesmo período de 2017, ocasionado, principalmente,  pelos resultados da contratação, em 2016 e 2017, de mais 210 examinadores (reforço de 25% no quadro de pessoal) e pelo aumento médio de 51% na produção de outros 219 examinadores que estão em trabalho remoto.
De acordo com dados da Assessoria de Assuntos Econômicos (AECON) do referido instituto, o serviço de desenho industrial teve o aumento de produção mais expressivo, considerando-se concessões e indeferimentos. Foram 3.854 decisões de janeiro a abril de 2018, contra 1.608 no mesmo período de 2017, um incremento de 139%.  Marcas chegou a um crescimento de 88%, passando de 47.201 concessões e indeferimentos nos primeiros quatro meses de 2017 para 88.641 decisões em 2018.  Na área de patentes, houve aumento de 67%, que expressa as 3.219 decisões técnicas emitidas no primeiro quadrimestre do ano passado contra as 5.377 dos quatro meses iniciais de 2018. Em programas de computador, o crescimento foi de 64%, passando de 823 registros de janeiro a abril de 2017 para 1.350 no acumulado de 2018. Já em averbações de contratos de tecnologia as decisões subiram de 398 para 422.
Segundo o Instituto, os esforços das equipes do INPI também possibilitaram que o total de decisões entre janeiro e abril de 2018 (incluindo concessões, indeferimentos e arquivamentos) ficasse acima da demanda corrente do mesmo período. Em desenhos industriais, a produção foi 159,8% maior que os depósitos recebidos. Em marcas, o percentual ficou em 73,8%; em patentes, 40,2%; e em contratos de tecnologia, 22%. Com a implantação do pedido eletrônico, o serviço de programa de computador também teve excelente resultado: 126,5% de produção acima da demanda. 

A notícia que iremos reproduzir adiante aponta um novo horizonte na melhoria da propriedade intelectual no Brasil e uma perspectiva de que os nossos inventores estejam mais motivados a buscarem a inovação e a criação que seja capaz de melhorar as nossas condições de vida na sociedade, isto porque o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), divulgou em comunicado que de janeiro e abril de 2018, a produção de todos os serviços do instituto teve um forte crescimento em comparação ao mesmo período de 2017, ocasionado, principalmente,  pelos resultados da contratação, em 2016 e 2017, de mais 210 examinadores (reforço de 25% no quadro de pessoal) e pelo aumento médio de 51% na produção de outros 219 examinadores que estão em trabalho remoto.
De acordo com dados da Assessoria de Assuntos Econômicos (AECON) do referido instituto, o serviço de desenho industrial teve o aumento de produção mais expressivo, considerando-se concessões e indeferimentos. Foram 3.854 decisões de janeiro a abril de 2018, contra 1.608 no mesmo período de 2017, um incremento de 139%.  Marcas chegou a um crescimento de 88%, passando de 47.201 concessões e indeferimentos nos primeiros quatro meses de 2017 para 88.641 decisões em 2018.  Na área de patentes, houve aumento de 67%, que expressa as 3.219 decisões técnicas emitidas no primeiro quadrimestre do ano passado contra as 5.377 dos quatro meses iniciais de 2018. Em programas de computador, o crescimento foi de 64%, passando de 823 registros de janeiro a abril de 2017 para 1.350 no acumulado de 2018. Já em averbações de contratos de tecnologia as decisões subiram de 398 para 422.
Segundo o Instituto, os esforços das equipes do INPI também possibilitaram que o total de decisões entre janeiro e abril de 2018 (incluindo concessões, indeferimentos e arquivamentos) ficasse acima da demanda corrente do mesmo período. Em desenhos industriais, a produção foi 159,8% maior que os depósitos recebidos. Em marcas, o percentual ficou em 73,8%; em patentes, 40,2%; e em contratos de tecnologia, 22%. Com a implantação do pedido eletrônico, o serviço de programa de computador também teve excelente resultado: 126,5% de produção acima da demanda.