As caricaturas de dirigentes históricos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/10/2012 às 15:36:00

* Bruno Lima Rocha

Quando o ex-ministro da Casa Civil de Dilma Rousseff, o médico sanitarista Antônio Palocci consumou sua queda do cargo, escrevi nesta publicação um artigo onde caracterizava o próprio, assim como outros dirigentes históricos do mesmo partido, de grotescas caricaturas de si mesmos.

O mês de outubro retoma drama semelhante em cenário diferente. José Dirceu de Oliveira e Silva e José Genoino Guimarães Neto são militantes históricos da esquerda brasileira.

Ambos são réus no Supremo em função de um suposto esquema de compra de votos para formar maioria parlamentar e assim dar base de sustentação a um governo de centro-esquerda, cujo presidente é um líder carismático com ampla aprovação popular.

Ou seja, embora fosse mais difícil, seria perfeitamente possível governar por outra via, não se aliando com as oligarquias de sempre. Dirceu, Genoino e Lula tinham trajetórias respeitáveis, e transformaram suas reputações em capital político a favor da coalizão.

Minha tese é relativamente simples e a crítica está mais à esquerda do que o senso comum. Entendo que a política, realizada em defesa dos interesses das maiorias, é executada sobre uma delicada equação. Esta tende a equilibrar realizações viáveis e um projeto de acumulação de forças, onde o poder se constrói sobre identidade ideológica, pontos de doutrina, objetivos programáticos e movimentos táticos.

Quando um partido começa a abrir mão deste equilíbrio, caímos no vale tudo típico das carreiras políticas tupiniquins. Quando no ano passado caracterizei estes dirigentes históricos como caricaturas do que teriam sido, tomei-os como espelho de toda uma geração militante.

Podemos até conjecturar que o suposto Mensalão nunca existiu (o que duvido), mas não se pode negar o modus operandi da tal da governabilidade. Este foi (e é feito) ao estilo do impagável Severino Cavalcanti (PP-PE).

Como analista, não é possível retirar as responsabilidades de José Genoíno, José Dirceu, Delúbio Soares, Sílvio Pereira e demais correligionários como líderes políticos e dirigentes partidários. Tampouco é correto demonizar apenas estes operadores. Eles não agiam sozinhos e eram (e são) legítimos dirigentes do maior partido de "esquerda" da América Latina.

É triste admitir, mas o preço do pragmatismo político foi tornarem-se caricaturas de seu passado heróico. Ex-guerrilheiros hoje assemelham seu comportamento com o pior da política brasileira: são réus em casos de corrupção, sendo parecidos com os arenistas de sempre. E para quê?

* Bruno Lima Rocha é cientista político
www.estrategiaeanalise.com.br /blimarocha@gmail.com