Brasil sem gás

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/05/2018 às 07:32:00

 

As informações sobre o assunto 
ainda são desencontradas. Mas, 
aparentemente, o Governo Federal vai dar o braço a torcer e realizar concessões tributárias aos caminhoneiros indispostos com a alta carga de impostos incidindo sobre o preço dos combustíveis. Com força e organização suficientes para estrangular as principais artérias da economia nacional, os insurgentes lavam, com a vitória alcançada, a alma de todos os trabalhadores brasileiros.
Tudo indica que o governo pretende zerar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) cobrada sobre os combustíveis. Segundo os presidentes da Câmara dos Deputados e o Senado, um projeto em tramitação no Congresso pode viabilizar a demanda dos caminhoneiros fechando as estradas.
Melhor assim. A situação chegou ao limite do suportável. A nova política de preços adotada pela Petrobras, com reajustes diários, ancorados na cotação internacional do petróleo, desconsiderou solenemente a realidade do mercado interno brasileiro. A semana passada, por exemplo, o preço do diesel e da gasolina nas refinarias subiu cinco dias seguidos.
A mobilização dos caminhoneiros deveria servir de inspiração para outros setores da empobrecida economia verde e amarela, obrigados a arcar com a acachapante política tributária praticada pelo governo Temer. Nunca será demais lembrar: Segundo o Instituto Brasileiro de geografia e Estatística, em pleno século XXI, milhões de brasileiros tiveram de apelar para a lenha e o carvão, sem dinheiro para bancar um simples botijão de gás.

As informações sobre o assunto  ainda são desencontradas. Mas,  aparentemente, o Governo Federal vai dar o braço a torcer e realizar concessões tributárias aos caminhoneiros indispostos com a alta carga de impostos incidindo sobre o preço dos combustíveis. Com força e organização suficientes para estrangular as principais artérias da economia nacional, os insurgentes lavam, com a vitória alcançada, a alma de todos os trabalhadores brasileiros.
Tudo indica que o governo pretende zerar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) cobrada sobre os combustíveis. Segundo os presidentes da Câmara dos Deputados e o Senado, um projeto em tramitação no Congresso pode viabilizar a demanda dos caminhoneiros fechando as estradas.
Melhor assim. A situação chegou ao limite do suportável. A nova política de preços adotada pela Petrobras, com reajustes diários, ancorados na cotação internacional do petróleo, desconsiderou solenemente a realidade do mercado interno brasileiro. A semana passada, por exemplo, o preço do diesel e da gasolina nas refinarias subiu cinco dias seguidos.
A mobilização dos caminhoneiros deveria servir de inspiração para outros setores da empobrecida economia verde e amarela, obrigados a arcar com a acachapante política tributária praticada pelo governo Temer. Nunca será demais lembrar: Segundo o Instituto Brasileiro de geografia e Estatística, em pleno século XXI, milhões de brasileiros tiveram de apelar para a lenha e o carvão, sem dinheiro para bancar um simples botijão de gás.