Ações da Petrobras caem 14,5% e dólar sobe com greve de caminhoneiros

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 25/05/2018 às 06:22:00

 

Wellton Máximo 
Agência Brasil
 
A decisão da Petrobras de reduzir e congelar o preço do diesel por 15 dias gerou um efeito cascata no mercado financeiro. As ações da Petrobras fecharam esta quinta-feira (24) com queda de 14,5% nos papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) e de 13,71% nos papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos).
O recuo das ações da Petrobras, os papeis mais negociados na bolsa de valores, fez o índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, encerrar o dia com retração de 0,92%, aos 80.122 pontos. Anteontem (23), o indicador tinha caído 2,26%.
A Petrobras reduziu em 10% o preço do diesel nas refinarias por 15 dias, para atender parcialmente às reivindicações dos caminhoneiros que estão parados desde segunda-feira (21) em diversas rodovias do país. As expectativas de que as diminuições de impostos em discussão provoquem perda de arrecadação para o governo agravaram as tensões no mercado financeiro.
Depois de três sessões seguidas de queda, o dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 3,648, com alta de R$ 0,023 (0,64%). Por volta das 15h50, a moeda norte-americana atingiu R$ 3,656, na máxima do dia.

Wellton Máximo Agência Brasil A decisão da Petrobras de reduzir e congelar o preço do diesel por 15 dias gerou um efeito cascata no mercado financeiro. As ações da Petrobras fecharam esta quinta-feira (24) com queda de 14,5% nos papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) e de 13,71% nos papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos).
O recuo das ações da Petrobras, os papeis mais negociados na bolsa de valores, fez o índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, encerrar o dia com retração de 0,92%, aos 80.122 pontos. Anteontem (23), o indicador tinha caído 2,26%.
A Petrobras reduziu em 10% o preço do diesel nas refinarias por 15 dias, para atender parcialmente às reivindicações dos caminhoneiros que estão parados desde segunda-feira (21) em diversas rodovias do país. As expectativas de que as diminuições de impostos em discussão provoquem perda de arrecadação para o governo agravaram as tensões no mercado financeiro.
Depois de três sessões seguidas de queda, o dólar comercial fechou o dia vendido a R$ 3,648, com alta de R$ 0,023 (0,64%). Por volta das 15h50, a moeda norte-americana atingiu R$ 3,656, na máxima do dia.