Registro compulsório do câncer será obrigatório

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/05/2018 às 06:25:00

 

Na semana em que será celebrado o Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher, Sergipe debaterá a urgente necessidade de adoção de um registro compulsório de câncer e a regulamentação do prazo máximo de 30 dias para diagnóstico da doença na rede pública. O encontro acontecerá no próximo dia 29, a partir das 10h, na Assembleia Legislativa de Sergipe, e será presidido pela deputada estadual Goretti Reis.
O encontro faz parte de uma série de audiências que acontecerão na mesma data em 9 estados brasileiros com o objetivo de discutir a implementação de políticas públicas em prol do combate ao câncer de mama. A ação é promovida pela Associação dos Amigos da Oncologia - AMO e pela Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA) e conta com o apoio do Go All e da União Internacional de Controle do Câncer (UICC). 
 Além dos temas em questão, o Ciclo de Debates revisitará temas já apresentados pela Associação e pela Federação em anos anteriores ( em junho de 2015 e abril 2017), abordando assuntos como o acesso a tratamentos adequados do câncer de mama em seu estágio mais avançado, conhecido como metastático, e a inclusão no SUS dos medicamentos trastuzumabe e pertuzumabe para esse tipo de câncer, mesmo antes da portaria anunciada pelo Ministério da Saúde em agosto de 2017, e que foi uma importante conquista de pacientes com a contribuição desse trabalho.

Na semana em que será celebrado o Dia Internacional de Luta pela Saúde da Mulher, Sergipe debaterá a urgente necessidade de adoção de um registro compulsório de câncer e a regulamentação do prazo máximo de 30 dias para diagnóstico da doença na rede pública. O encontro acontecerá no próximo dia 29, a partir das 10h, na Assembleia Legislativa de Sergipe, e será presidido pela deputada estadual Goretti Reis.
O encontro faz parte de uma série de audiências que acontecerão na mesma data em 9 estados brasileiros com o objetivo de discutir a implementação de políticas públicas em prol do combate ao câncer de mama. A ação é promovida pela Associação dos Amigos da Oncologia - AMO e pela Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA) e conta com o apoio do Go All e da União Internacional de Controle do Câncer (UICC). 
 Além dos temas em questão, o Ciclo de Debates revisitará temas já apresentados pela Associação e pela Federação em anos anteriores ( em junho de 2015 e abril 2017), abordando assuntos como o acesso a tratamentos adequados do câncer de mama em seu estágio mais avançado, conhecido como metastático, e a inclusão no SUS dos medicamentos trastuzumabe e pertuzumabe para esse tipo de câncer, mesmo antes da portaria anunciada pelo Ministério da Saúde em agosto de 2017, e que foi uma importante conquista de pacientes com a contribuição desse trabalho.