PM escolta caminhões-tanque para garantir serviços essenciais

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 27/05/2018 às 03:52:00

Gabriel Damásio

A Polícia Militar decidiu montar uma operação especial para garantir o abastecimento de combustíveis para veículos que servem aos serviços de emergência. Na manhã deste sábado, equipes da corporação começaram a escoltar 12 caminhões-tanque da BR Distribuidora que foram requisitados pelo governo do estado para garantir o abastecimento de 10 bases estratégicas na capital e no interior. Elas farão o abastecimento exclusivo de viaturas e veículos dos serviços de emergência, como Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros, Instituto Médico-Legal, hospitais públicos e sistema penitenciário. Os postos também serão vigiados 24 horas para evitar bloqueios, ataques e outros incidentes.

Esta é a primeira medida concreta baseada no decreto baixado nesta sexta-feira pelo governador Belivaldo Chagas, que decretou situação de emergência em Sergipe, por causa das consequências da greve dos caminhoneiros contra os preços dos combustíveis. De acordo com o comandante-geral da PM, coronel Marcony Cabral, a prioridade será dada para os serviços de saúde e segurança e o objetivo de divulgar a operação de escolta dos caminhões é evitar conflitos com os manifestantes nos bloqueios. "Estamos com equipes de negociadores conversando, fazendo com as pessoas que estão nas barreiras. E o governador deixou claro que não quer confronto. Acredito que a manutenção dos serviços essenciais é boa para a comunidade e funciona inclusive para os manifestantes", disse o comandante.
Os caminhões acompanhados pelas viaturas se deslocaram para uma base da BR Distribuidora em Laranjeiras (Vale do Cotinguiba) e de lá seguiram para as bases estratégicas que já atendem à PM e ao Samu em cada região. Cada tanque tem capacidade para 35 mil litros. As liberações acontecem mediante requisições por escrito da secretaria ou comando de cada instituição.

Marcony deixou claro que os combustíveis não serão usados para o fornecimento geral dos postos comerciais. "Essa estratégia não é diretamente para a população em geral, mas será indiretamente, porque os veículos da polícia não podem deixar de rodar para garantir a segurança, as ambulâncias precisam chegar as ocorrências, a alimentação precisa chegar aos presídios... é tão somente para garantir a manutenção dos serviços essenciais à população", ressaltou o coronel. Apesar da crise de abastecimento, o policiamento de rua não está sendo afetado, devido a algumas medidas internas adotadas pela Polícia Militar e pela Secretaria da Segurança Pública, que otimizaram a distribuição dos estoques de combustível.

O Comando da PM também avaliou que ainda não há necessidade de acionar a Força Nacional ou as Forças Armadas para fazer o bloqueio das rodovias federais em Sergipe, conforme já foi autorizado em um decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), baixado na sexta-feira pelo presidente Michel Temer. "Não vai ser necessário, porque todas as manifestações vem acontecendo de forma pacífica e não houve nenhum episódio de vandalismo, nem de bloqueios totais. Nós temos apenas a paralisação dos caminhoneiros. Em se mantendo a situação dessa forma, não haverá a necessidade disso [acionar o Exército]", garantiu Marcony.  O 28º Batalhão de Caçadores (28º BC), sediado em Aracaju, informou que sua tropa permanece em "atividades normais de instrução e adestramento", mas "na qualidade de Organização Militar Operacional, está em condições de ser empregado rapidamente, em caso de determinação do Escalão Superior".

Descumprimento - Os bloqueios de caminhões continuaram até o fechamento desta edição em 12 pontos de concentração. Na BR-101, os caminhoneiros faziam piquetes nos quilômetros 77 (Laranjeiras), 147 (Estância) e 183 (Umbaúba). Já na BR-235, os protestos ocorriam nos quilômetros 103 (Carira), 42 e 57 (ambos em Itabaiana). A permanência acontece mesmo com uma liminar concedida pela Justiça Federal de Sergipe (JFSE), que proíbe a ocupação das rodovias federais em todo o estado. No entanto, segundo a Polícia Rodoviária federal, os caminhoneiros têm liberado a passagem de outros veículos e têm se concentrado fora das pistas. Nas rodovias estaduais, os caminhoneiros se manifestavam na SE-170 (Lagarto); na SE-270 (Lagarto); na SE-290 (Poço Verde e Tobias Barreto); na SE-100 (Ponte Aracaju-Barra); na SE-179 (Pinhão) e na SE-230 (Nossa Senhora da Glória).

Transporte - A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) informou que o transporte público circulou na capital e região metropolitana com 50% da frota neste sábado. A medida foi acordada com o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Aracaju (Setransp), para garantir a oferta do serviço em meio à paralisação dos transportadores de carga, o consequente desabastecimento e a limitação do estoque de combustível das empresas que atendem o serviço. A situação do transporte público no domingo, e na segunda-feira não foi definida até o fechamento desta edição.