Mais três mil cisternas para o sertão sergipano

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Entidades irão construir benfeitorias depois de fazer levantamento socioeconômico das comunidades indicadas pelo MDS
Entidades irão construir benfeitorias depois de fazer levantamento socioeconômico das comunidades indicadas pelo MDS

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/05/2018 às 03:52:00

Após a assinatura do Termo de Coopera-ção entre a Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro) e a Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), na manhã desta terça-feira (22), a empresa pública oficialmente passou a fazer parte do investimento social da ordem de R$ 15 milhões, para a instalação de 3.062 cisternas de placas em concreto armado e a construção de 514 barragens de barreiro em Sergipe, através do Programa Nacional de Apoio à Captação de Água de Chuva e outras Tecnologias Sociais (Programa Cisternas), do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS).

Em sequência à assinatura, consumada pelo diretor-presidente Carlos Fernandes de Melo Neto, ocorreu uma reunião entre a Diretoria de Infraestrutura Hídrica e Mecanização Agrícola Cohidro (Dinfra), o representante da Seplag, Roberto Viana dos Santos e as duas entidades escolhidas pelo chamamento público para a execução do programa. A Associação Movimento Popular Resgatando Vida e Cidadania Sergipana (AMPRVCS), que atuará construindo cisternas e barreiros em Tobias Barreto, Simão Dias, Macambira, Frei Paulo, Nossa Senhora Aparecida e Nossa Senhora das Dores. O Centro Dom José Brandão de Castro (CDJBC), vai instalar cisternas em Poço Redondo, Monte Alegre e Nossa Senhora da Glória.

O presidente Carlos Melo destaca a relevância dada à Cohidro, ao ser inclusa neste investimento R$ 15 milhões em benefício direto à população. "Estaremos executando, em nosso estado, 3.062 cisternas e 514 barreiros, ou seja, um estado onde tem uma parcela do seu território no Semiárido Nordestino, isso é de fundamental importância para o desenvolvimento de localidades que ainda não tem acesso à água encanada por diversos fatores, principalmente o da topografia e da distância dos centros urbanos. Isso vem trazer esse grande beneficio, não só para os seres humanos, mas também para dessedentação animal, através dos barreiros. São demandas importantes, que a gente já vem desenvolvendo em outras ações de governo, mas este programa que está iniciando, a gente acredita que terá um grande sucesso e impacto social no Semiárido Sergipano".

Segundo Roberto Viana, técnico de captação de recursos da Seplag, as tecnologias sociais são destinadas às famílias residentes em localidades rurais e com renda familiar equivalente às utilizadas como critério de aceitação em outros programas sociais federais, como o 'Bolsa Família'; devem possuir o Número de Identificação Social (NIS) e, preferencialmente, ter como responsável legal uma mulher. "A Seplag atua como convenente, ou seja, ela foi quem assinou e celebrou, junto ao MDS, o convênio. Hoje é a responsável pelo programa no estado, é quem lida diretamente com o ministério", informou o servidor vinculado à Superintendência de Programação Orçamentária e Estratégica e Econômica da pasta de estado.

Existe todo um cronograma que a Seplag segue para executar o programa no Estado e a Cohidro começa a participar, nesse instante, devido ao início da execução das obras. "A secretaria abriu, no mês de março, um chamamento público para contratação das entidades que irão construir. Que, no caso, foram o AMPRVCS e o CDJBC. Início de abril, eles assinaram os contratos e deram início a toda a parte de mobilização social, que seria a busca e seleção dos beneficiários a partir da lista orientadora do próprio ministério. Posteriormente, seguir o que rege o Programa de Cisternas, que é a capacitação dessas famílias e a construção dessas cisternas", completou Roberto Viana.