Morte de adolescente em Socorro é atribuída a grupo de traficantes

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 30/05/2018 às 06:12:00

 

O Departamento de Narcóticos da Polícia Civil (Denarc) fez ontem uma coletiva de imprensa para divulgar detalhes sobre o conjunto de operações que resultou na localização do corpo de Luan Anderson da Silva e na desarticulação de associação criminosa com envolvimento no tráfico de drogas. No total, nove pessoas foram presas: Alessandro Magno da Silva; Celso Bernadino Rodriguez; Gabriel Henrique da Silva; Isaque Magno OLiveira Matos, vulgo "Obama"; Laio Herico Campos dos Santos, vulgo "Lesão da leste"; Leonel Bertoldo dos Santos, vulgo "Velho"; Luan Oliveira Rocha, popularmente conhecido como "Japa"; Rodrigo dos Anjos GUimarães; e Vinícius Santos da Silva, vulgo "Overa".
De acordo com o delegado André Baronto, responsável pelo caso, a Operação Xeque-Mate é o resultado de diversas operações realizadas no final de 2017. "Entre as ações, consta a apreensão de 165 kg de drogas, além da identificação de várias práticas criminosas, como homicídios, roubos de veículos, além de tráfico de drogas", disse.
Entre as operações deflagradas em 2017, está a Operação Gamberi, que resultou na apreensão de 100kg de maconha e na apreensão de uma arma de fogo, no povoado Rua da Palha, em Santa Luzia do Itanhy. Na ação policial foram presos Celso Bernadino Rodrigues e Leonel Bertoldo dos Santos, o transportador e o distribuidor da droga, respectivamente.
"Desde o ano passado trabalhamos nessa operação fazendo operações menores, prendendo alguns indivíduos, apreendendo material entorpecente, armas de fogo. São indivíduos extremamente perigosos, violentos, tanto é que qualquer desavença que havia entre eles e outros criminosos, eles decidiam pela execução, por isso nós temos alguns homicídios elucidados durante a investigação. Esse material de prova nós vamos enviar para o Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) para que eles continuem as investigações", destacou o delegado.
No dia 19 de outubro do ano passado foi realizada a Operação Quarteto. A ação policial envolveu equipes de quatro Estados, incluindo Sergipe. Aqui foram apreendidos 55kg de maconha e outra arma de fogo. "Desde o início a investigação corria apenas pelo Denarc, mas tivemos a brilhante participação da Divisão de Inteligência e durante a investigação algumas prisões foram realizadas pela Polícia Militar. Então o trabalho integrado entre Polícia Civil e Polícia Militar vem dando certo, trazendo resultados positivos para a elucidação dos crimes", afirmou André Baronto. Durante a operação, Flávio Nunes da Costa entrou em confronto com a polícia, foi socorrido, mas veio a óbito logo em seguida.
2018 - Em fevereiro deste ano, mais 10kg de maconha e três armas foram apreendidos. Após a ação, a polícia cumpriu mandado de prisão contra Alessandro Magno da Silva. No dia 15 de maio foram presos em decorrência de mandados Gabriel Henrique da Silva e Luan Oliveira Rocha. Dois dias depois, logo após encontrar a arma utilizada em homicídio, o corpo de Luan Anderson da Silva foi localizado em um mangue.
"No final da operação, com o cumprimento de alguns mandados de prisões, identificamos o homicídio do adolescente Luan Anderson da Silva que foi praticado por um dos presos. O corpo foi escondido em uma parte de difícil acesso do manguezal localizado em Nossa Senhora do Socorro e estava escondido embaixo de uma carcaça de uma geladeira", destacou.
Em seguida, no dia 18, mais dois mandados culminaram nas prisões de Vinicius Santos da Silva e Isaque Magno Oliveira Matos. O último é apontado pelas investigações como autor do homicídio que vitimou Luan Anderson da Silva. O delegado afirma que a participação da população foi de suma importância para o cumprimento das ações. "A população vem colaborando bastante com a polícia por meio do disque-denúncia 181, inclusive nessa operação a participação da população foi fundamental. Nós iamos checar algumas informações, procurar essa arma do crime, procurar o corpo, inicialmente não conseguimos encontrar e logo que saimos do local já entrava novas informações através do disque-denúncia informando o local mais preciso. Isso gerou justamente esse resultado positivo", afirmou André.
Segundo ele, as investigações continuam no intuito de verificar a participação de outros indivíduos: "ainda existem algumas pessoas a serem presas, o material colhido na investigação será encaminhado para outros departamentos, roubos de carros foram identificados, roubos majorados, homicídios foram identificados, tentativa de homicídios foram identificados. Todos esses crimes nós vamos juntas as provas que já temos e vamos distribuir com os demais departamentos para que as investigações possam continuar".

O Departamento de Narcóticos da Polícia Civil (Denarc) fez ontem uma coletiva de imprensa para divulgar detalhes sobre o conjunto de operações que resultou na localização do corpo de Luan Anderson da Silva e na desarticulação de associação criminosa com envolvimento no tráfico de drogas. No total, nove pessoas foram presas: Alessandro Magno da Silva; Celso Bernadino Rodriguez; Gabriel Henrique da Silva; Isaque Magno OLiveira Matos, vulgo "Obama"; Laio Herico Campos dos Santos, vulgo "Lesão da leste"; Leonel Bertoldo dos Santos, vulgo "Velho"; Luan Oliveira Rocha, popularmente conhecido como "Japa"; Rodrigo dos Anjos GUimarães; e Vinícius Santos da Silva, vulgo "Overa".
De acordo com o delegado André Baronto, responsável pelo caso, a Operação Xeque-Mate é o resultado de diversas operações realizadas no final de 2017. "Entre as ações, consta a apreensão de 165 kg de drogas, além da identificação de várias práticas criminosas, como homicídios, roubos de veículos, além de tráfico de drogas", disse.
Entre as operações deflagradas em 2017, está a Operação Gamberi, que resultou na apreensão de 100kg de maconha e na apreensão de uma arma de fogo, no povoado Rua da Palha, em Santa Luzia do Itanhy. Na ação policial foram presos Celso Bernadino Rodrigues e Leonel Bertoldo dos Santos, o transportador e o distribuidor da droga, respectivamente.
"Desde o ano passado trabalhamos nessa operação fazendo operações menores, prendendo alguns indivíduos, apreendendo material entorpecente, armas de fogo. São indivíduos extremamente perigosos, violentos, tanto é que qualquer desavença que havia entre eles e outros criminosos, eles decidiam pela execução, por isso nós temos alguns homicídios elucidados durante a investigação. Esse material de prova nós vamos enviar para o Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) para que eles continuem as investigações", destacou o delegado.
No dia 19 de outubro do ano passado foi realizada a Operação Quarteto. A ação policial envolveu equipes de quatro Estados, incluindo Sergipe. Aqui foram apreendidos 55kg de maconha e outra arma de fogo. "Desde o início a investigação corria apenas pelo Denarc, mas tivemos a brilhante participação da Divisão de Inteligência e durante a investigação algumas prisões foram realizadas pela Polícia Militar. Então o trabalho integrado entre Polícia Civil e Polícia Militar vem dando certo, trazendo resultados positivos para a elucidação dos crimes", afirmou André Baronto. Durante a operação, Flávio Nunes da Costa entrou em confronto com a polícia, foi socorrido, mas veio a óbito logo em seguida.
2018 - Em fevereiro deste ano, mais 10kg de maconha e três armas foram apreendidos. Após a ação, a polícia cumpriu mandado de prisão contra Alessandro Magno da Silva. No dia 15 de maio foram presos em decorrência de mandados Gabriel Henrique da Silva e Luan Oliveira Rocha. Dois dias depois, logo após encontrar a arma utilizada em homicídio, o corpo de Luan Anderson da Silva foi localizado em um mangue.
"No final da operação, com o cumprimento de alguns mandados de prisões, identificamos o homicídio do adolescente Luan Anderson da Silva que foi praticado por um dos presos. O corpo foi escondido em uma parte de difícil acesso do manguezal localizado em Nossa Senhora do Socorro e estava escondido embaixo de uma carcaça de uma geladeira", destacou.
Em seguida, no dia 18, mais dois mandados culminaram nas prisões de Vinicius Santos da Silva e Isaque Magno Oliveira Matos. O último é apontado pelas investigações como autor do homicídio que vitimou Luan Anderson da Silva. O delegado afirma que a participação da população foi de suma importância para o cumprimento das ações. "A população vem colaborando bastante com a polícia por meio do disque-denúncia 181, inclusive nessa operação a participação da população foi fundamental. Nós iamos checar algumas informações, procurar essa arma do crime, procurar o corpo, inicialmente não conseguimos encontrar e logo que saimos do local já entrava novas informações através do disque-denúncia informando o local mais preciso. Isso gerou justamente esse resultado positivo", afirmou André.
Segundo ele, as investigações continuam no intuito de verificar a participação de outros indivíduos: "ainda existem algumas pessoas a serem presas, o material colhido na investigação será encaminhado para outros departamentos, roubos de carros foram identificados, roubos majorados, homicídios foram identificados, tentativa de homicídios foram identificados. Todos esses crimes nós vamos juntas as provas que já temos e vamos distribuir com os demais departamentos para que as investigações possam continuar".