Governador decreta luto oficial

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 30/05/2018 às 06:16:00

 

O governador Belivaldo Chagas emitiu nota de pesar pelo falecimento de José Carlos Teixeira, ex-secretário de Cultura do Estado e produtor cultural. Natural de Itabaiana, Teixeira exerceu as funções públicas de vice-governador do Estado, de prefeito de Aracaju e de deputado federal. 
O governador Belivaldo Chagas decretou luto oficial de três dias e colocou o Palácio Museu Olímpio Campos à disposição para realização do velório. O chefe do Executivo destacou o trabalho de José Carlos a favor da democracia e da cultura sergipana.
"José Carlos Teixeira nos deixa num momento de grande turbulência política. É significativa sua perda neste momento. Mais um democrata nos deixa. Temos que exaltar o legado de José Carlos, um amante da nossa cultura, que sempre carregou a bandeira de nosso estado, de nossa arte e da liberdade", afirmou.
Já o prefeito Edvaldo Nogueira emitiu nota de pesar pelo falecimento do produtor cultural, José Carlos Teixeira, 82 anos, e do arcebispo emérito de Aracaju, Dom Luciano Cabral Duarte, 93 anos, que morreram nesta terça-feira, 29. O gestor também decretou luto oficial de três dias no município.
José Carlos Teixeira era natural de Itabaiana e exerceu funções públicas de vice-governador, deputado federal - por quatro mandatos - e prefeito de Aracaju. Ao longo da vida pública, também foi secretário de Cultura do Estado de Sergipe, 2003, quando promoveu a reestruturação da Orquestra Sinfônica de Sergipe, com a renovação de instrumentos e a oferta de intercâmbio para os músicos.
"Sergipe perde um dos maiores nomes da sua história política, o ex-prefeito, ex-deputado federal e ex-vice-governador do Estado, José Carlos Teixeira. Lamento profundamente o falecimento deste valoroso homem público, que marcou toda uma geração e que lutou pela liberdade e democracia do Brasil. O difícil momento em que o país atravessa só faz aumentar o valor e a importância de homens como José Carlos, um ser humano despojado, de apego ao poder ou a coisas materiais, que fez de sua trajetória um exemplo de combinação de ética na vida pública e privada", expressou Edvaldo.

O governador Belivaldo Chagas emitiu nota de pesar pelo falecimento de José Carlos Teixeira, ex-secretário de Cultura do Estado e produtor cultural. Natural de Itabaiana, Teixeira exerceu as funções públicas de vice-governador do Estado, de prefeito de Aracaju e de deputado federal. 
O governador Belivaldo Chagas decretou luto oficial de três dias e colocou o Palácio Museu Olímpio Campos à disposição para realização do velório. O chefe do Executivo destacou o trabalho de José Carlos a favor da democracia e da cultura sergipana.
"José Carlos Teixeira nos deixa num momento de grande turbulência política. É significativa sua perda neste momento. Mais um democrata nos deixa. Temos que exaltar o legado de José Carlos, um amante da nossa cultura, que sempre carregou a bandeira de nosso estado, de nossa arte e da liberdade", afirmou.
Já o prefeito Edvaldo Nogueira emitiu nota de pesar pelo falecimento do produtor cultural, José Carlos Teixeira, 82 anos, e do arcebispo emérito de Aracaju, Dom Luciano Cabral Duarte, 93 anos, que morreram nesta terça-feira, 29. O gestor também decretou luto oficial de três dias no município.
José Carlos Teixeira era natural de Itabaiana e exerceu funções públicas de vice-governador, deputado federal - por quatro mandatos - e prefeito de Aracaju. Ao longo da vida pública, também foi secretário de Cultura do Estado de Sergipe, 2003, quando promoveu a reestruturação da Orquestra Sinfônica de Sergipe, com a renovação de instrumentos e a oferta de intercâmbio para os músicos.
"Sergipe perde um dos maiores nomes da sua história política, o ex-prefeito, ex-deputado federal e ex-vice-governador do Estado, José Carlos Teixeira. Lamento profundamente o falecimento deste valoroso homem público, que marcou toda uma geração e que lutou pela liberdade e democracia do Brasil. O difícil momento em que o país atravessa só faz aumentar o valor e a importância de homens como José Carlos, um ser humano despojado, de apego ao poder ou a coisas materiais, que fez de sua trajetória um exemplo de combinação de ética na vida pública e privada", expressou Edvaldo.