Petrobras volta a aumentar preços dos combustíveis

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
AUMENTO OCORREU NAS REFINARIAS NO ÚLTIMO SÁBADO, E DEVERÁ SER REPASSADO PELOS POSTOS NOS PRÓXIMOS DIAS
AUMENTO OCORREU NAS REFINARIAS NO ÚLTIMO SÁBADO, E DEVERÁ SER REPASSADO PELOS POSTOS NOS PRÓXIMOS DIAS

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 03/06/2018 às 00:10:00

Vitor Abdala
Agência Brasil
 
A Petrobras aumen-tou ontem (2) em 2,25% o preço da gasolina em suas refinarias. De anteontem para ontem, o litro do combustível ficou 4 centavos mais caro, ao passar de R$ 1,9671 para R$ 2,0113, de acordo com a estatal.
Em um mês, o combustível acumula alta de preço de 11,29%, ou seja, de 20 centavos por litro, já que em 1º de maio, o combustível era negociado nas refinarias a R$ 1,8072.
O preço do diesel, que recuou 30 centavos desde o dia 23 de maio, no ápice da greve dos caminhoneiros, será mantido em R$ 2,0316 por 60 dias.

Não muda - O Ministério de Minas e Energia (MME) defendeu, no final da tarde de hsexta-feira (1º), a política de preços praticada pela Petrobras. Em nota, a pasta destacou que o governo estuda formas de aumentar a previsibilidade dos preços ao consumidor, mas sem interferir na estatal. A nota foi divulgada após a decisão de Pedro Parente de deixar a presidência da Petrobras.
"O que o Ministério de Minas e Energia colocou em debate público visa a criação para o país de uma política de amortecimento dos preços dos combustíveis ao consumidor, um mecanismo que proteja o consumidor da volatilidade dos preços dos combustíveis nas bombas. Algo fora da política de preços da Petrobras", diz o ministério.
A pasta ainda estuda um dispositivo que funcionaria como "colchão" entre as constantes mudanças de valor do petróleo no mercado e o preço do combustível nos postos. Técnicos do ministério e da Agência Nacional do Petróleo (ANP) começaram a discutir isso hoje. Na próxima segunda-feira (4) ocorrerá uma nova reunião, desta vez com a participação de técnicos do Ministério da Fazenda.

A preocupação do governo, no entanto, é descolar a previsibilidade de preços da política de precificação da Petrobras. "Essa política de proteção terá que preservar a atual prática de preços de mercado para o produtor e importador, o que é tido pela atual administração como um ponto fundamental para a atração de investimentos para o setor. Vai trazer previsibilidade e segurança ao consumidor e ao investidor." Após a confirmação da saída de Parente, o mercado reagiu negativamente, com queda nas ações da Petrobras e valorização do dólar frente ao real.