Lagoa de amortização do canal Costa do Sol beneficiará drenagem da zona Sul

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A lagoa de amortização do canal do Costa do sol vai evitar novas inundações na área
A lagoa de amortização do canal do Costa do sol vai evitar novas inundações na área

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/06/2018 às 06:58:00

 

O acesso ao saneamento básico integra o rol dos direitos humanos que promovem o bem-estar social e ambiental de todos os cidadãos. Através de leis como a 11.445/2007, também conhecida como a Lei Nacional da Política do Saneamento Básico, o planejamento e a execução políticas públicas de drenagem e manejo das águas pluviais urbanas avançaram e incumbiram aos municípios a execução de obras estruturantes que melhorem e ampliem a rede de escoamento das águas das chuvas.
Em Aracaju, um dos exemplos de que respeito à legislação e o compromisso com a melhoria de vida dos cidadãos são as obras complementares do canal Costa do Sol, situado no residencial homônimo, na zona Sul da capital, e que deverá corrigir antigos problemas de enchentes e promover mais capacidade de armazenamento das águas pluviais, beneficiando milhares de famílias que residem na região.
Com uma extensão de cerca de 1,5 km, o canal Costa do Sol tem início nas proximidades do reservatório da Petrobras até sua afluência com o canal Beira-Mar, entre as avenidas Melício Machado e Júlio César Leite e deságua na nova lagoa de amortização, que possui uma área de mais de 13 mil metros quadrados e uma capacidade de absorver grandes volumes de água da chuva. A obra inclui também a microdrenagem de várias ruas do residencial Costa do Sol e a pavimentação das ruas Poeta Manoel Bandeira, Mário Quintana e a travessa Melício Machado, no bairro Atalaia.
Também foi construído um ajardinamento em todo o entorno da lagoa, melhorando a paisagem e harmonizando o ambiente com as residências existentes no local. A obra foi iniciada ainda durante o mandato anterior de Edvaldo Nogueira, mas paralisada durante a gestão passada.
De acordo com o secretário municipal da Infraestrutura, Sérgio Ferrari, o planejamento de atividades urbanas relacionadas à gestão das águas deve estar integrado ao próprio planejamento urbano e estas obras estão dentro do Planejamento Estratégico, que pretende avançar no desenvolvimento da cidade e na retomada da qualidade de vida das pessoas. "Muito embora não seja o tipo de obra vistosa, que causa impacto visual, uma gestão que preze pela infraestrutura das pessoas deve investir na drenagem, pois apenas quando chove e ocorre algum transtorno as pessoas sentem a necessidade da drenagem. Esta lagoa vai mitigar problemas antigos que ocorriam em períodos de chuvas tanto na zona Sul e Zona de Expansão, além de criar as condições operacionais de transporte, detenção ou retenção para o amortecimento de vazões de cheias", explica Ferrari.

O acesso ao saneamento básico integra o rol dos direitos humanos que promovem o bem-estar social e ambiental de todos os cidadãos. Através de leis como a 11.445/2007, também conhecida como a Lei Nacional da Política do Saneamento Básico, o planejamento e a execução políticas públicas de drenagem e manejo das águas pluviais urbanas avançaram e incumbiram aos municípios a execução de obras estruturantes que melhorem e ampliem a rede de escoamento das águas das chuvas.
Em Aracaju, um dos exemplos de que respeito à legislação e o compromisso com a melhoria de vida dos cidadãos são as obras complementares do canal Costa do Sol, situado no residencial homônimo, na zona Sul da capital, e que deverá corrigir antigos problemas de enchentes e promover mais capacidade de armazenamento das águas pluviais, beneficiando milhares de famílias que residem na região.
Com uma extensão de cerca de 1,5 km, o canal Costa do Sol tem início nas proximidades do reservatório da Petrobras até sua afluência com o canal Beira-Mar, entre as avenidas Melício Machado e Júlio César Leite e deságua na nova lagoa de amortização, que possui uma área de mais de 13 mil metros quadrados e uma capacidade de absorver grandes volumes de água da chuva. A obra inclui também a microdrenagem de várias ruas do residencial Costa do Sol e a pavimentação das ruas Poeta Manoel Bandeira, Mário Quintana e a travessa Melício Machado, no bairro Atalaia.
Também foi construído um ajardinamento em todo o entorno da lagoa, melhorando a paisagem e harmonizando o ambiente com as residências existentes no local. A obra foi iniciada ainda durante o mandato anterior de Edvaldo Nogueira, mas paralisada durante a gestão passada.
De acordo com o secretário municipal da Infraestrutura, Sérgio Ferrari, o planejamento de atividades urbanas relacionadas à gestão das águas deve estar integrado ao próprio planejamento urbano e estas obras estão dentro do Planejamento Estratégico, que pretende avançar no desenvolvimento da cidade e na retomada da qualidade de vida das pessoas. "Muito embora não seja o tipo de obra vistosa, que causa impacto visual, uma gestão que preze pela infraestrutura das pessoas deve investir na drenagem, pois apenas quando chove e ocorre algum transtorno as pessoas sentem a necessidade da drenagem. Esta lagoa vai mitigar problemas antigos que ocorriam em períodos de chuvas tanto na zona Sul e Zona de Expansão, além de criar as condições operacionais de transporte, detenção ou retenção para o amortecimento de vazões de cheias", explica Ferrari.