Polícia cumpre prisão preventiva contra acusado de abuso sexual

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/06/2018 às 07:12:00

 

Policiais civis da Delegacia de Atendimento a Criança e Adolescente Vítima (DEACAV) cumpriram ontem um mandado de prisão preventiva expedido contra Alberlan Santos Morais, em razão de descumprimento de medida de proteção para se manter afastado da vítima.
Segundo informações da delegada Annecley Figueiredo, o preso responde a processo judicial pelo crime de estupro de vulnerável e já havia uma determinação da justiça para ele se manter afastado, e sem contato com a vítima, a qual foi descumprida gerando transtornos psicológicos ainda mais graves para o menor, vítima do abuso.
"Crimes dessa natureza constituem uma agressão psicológica para as vítimas e quando se tratam de crianças os efeitos do choque podem refletir em diversos aspectos no desenvolvimento delas. Por isso é importante ser feita essa avaliação de se representar por medida judicial para manter o suposto abusador sem contato com a vítima, visando resguardar outros abusos e também o psicológico da criança", acrescentou a delegada. O preso será encaminhado para a unidade prisional e ficará à disposição da Justiça. (da SSP)

Policiais civis da Delegacia de Atendimento a Criança e Adolescente Vítima (DEACAV) cumpriram ontem um mandado de prisão preventiva expedido contra Alberlan Santos Morais, em razão de descumprimento de medida de proteção para se manter afastado da vítima.
Segundo informações da delegada Annecley Figueiredo, o preso responde a processo judicial pelo crime de estupro de vulnerável e já havia uma determinação da justiça para ele se manter afastado, e sem contato com a vítima, a qual foi descumprida gerando transtornos psicológicos ainda mais graves para o menor, vítima do abuso.
"Crimes dessa natureza constituem uma agressão psicológica para as vítimas e quando se tratam de crianças os efeitos do choque podem refletir em diversos aspectos no desenvolvimento delas. Por isso é importante ser feita essa avaliação de se representar por medida judicial para manter o suposto abusador sem contato com a vítima, visando resguardar outros abusos e também o psicológico da criança", acrescentou a delegada. O preso será encaminhado para a unidade prisional e ficará à disposição da Justiça. (da SSP)