Tite chega à Copa confiante em boa campanha

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 12/06/2018 às 06:58:00

 

Foram quase dois anos de trabalho, mudanças de métodos, alternativas táticas, troca de alguns jogadores, reta final de preparação longa para os padrões atuais... Tudo o que Tite e sua comissão técnica tinham de fazer para deixar a seleção pronta para a Copa do Mundo foi feito. A partir desta segunda-feira, porém, a avassaladora reação nas Eliminatórias e os resultados em amistosos serão colocados à prova.
A estreia é no próximo domingo, mas o Mundial da Rússia começou de fato para o Brasil nesta segunda-feira 11, no primeiro dia em Sochi. A seleção entra para valer no clima da disputa com ansiedade, mas de moral elevado. Chegou à Rússia como favorita. O bom desempenho no último teste antes do jogo contra a Suíça, a vitória por 3 a 0 sobre a Áustria em Viena neste domingo, confirmou a expectativa: a seleção tem no quarteto formado por Neymar, Willian, Philippe Coutinho e Gabriel Jesus um poderoso antídoto contra todos os adversários, sobretudo o que jogam mais fechados.
Além de correr mais do que se esperava, Neymar assumiu um protagonismo durante e depois dos amistosos. "Tem de confiar, sonhar, não tem de segurar a onda não. Tem de falar que é brasileiro, ter orgulho. Tem de sonhar mesmo. Sonhar não é proibido, os 23 convocados e a comissão são quem mais estão sonhando com o título, confiantes no futebol e em busca da conquista", afirmou Neymar, liberando a empolgação.
Tite se mantém fiel ao 4-1-4-1, em que Casemiro é o grande engenheiro da marcação e Paulinho, preferencialmente, faz o trabalho de área em área. Mas o esquema é flexível, variando para 4-2-3-1 e até para 4-3-3 de acordo com as circunstâncias da disputa.
É assim que Tite, técnico que vai para a sua primeira Copa do Mundo, portanto sem experiência, acredita ser possível levar o Brasil ao ambicionado hexa e sem mudanças de filosofia em função de rival. "Temos uma forma de jogar. Não mudamos nosso jeito se formos jogar contra a Alemanha. Tentamos repetir o padrão".
Tudo isso vai ter sua eficiência colocada à prova a partir de agora. Os testes acabaram. Vem aí a Copa do Mundo. O caminho prevê sete jogos até o título - três na fase de grupos. E se durante o percurso houver tropeço, o bom currículo de Tite até agora - 17 vitórias, 3 empates e 1 derrota - pode não valer de nada.

Foram quase dois anos de trabalho, mudanças de métodos, alternativas táticas, troca de alguns jogadores, reta final de preparação longa para os padrões atuais... Tudo o que Tite e sua comissão técnica tinham de fazer para deixar a seleção pronta para a Copa do Mundo foi feito. A partir desta segunda-feira, porém, a avassaladora reação nas Eliminatórias e os resultados em amistosos serão colocados à prova.
A estreia é no próximo domingo, mas o Mundial da Rússia começou de fato para o Brasil nesta segunda-feira 11, no primeiro dia em Sochi. A seleção entra para valer no clima da disputa com ansiedade, mas de moral elevado. Chegou à Rússia como favorita. O bom desempenho no último teste antes do jogo contra a Suíça, a vitória por 3 a 0 sobre a Áustria em Viena neste domingo, confirmou a expectativa: a seleção tem no quarteto formado por Neymar, Willian, Philippe Coutinho e Gabriel Jesus um poderoso antídoto contra todos os adversários, sobretudo o que jogam mais fechados.
Além de correr mais do que se esperava, Neymar assumiu um protagonismo durante e depois dos amistosos. "Tem de confiar, sonhar, não tem de segurar a onda não. Tem de falar que é brasileiro, ter orgulho. Tem de sonhar mesmo. Sonhar não é proibido, os 23 convocados e a comissão são quem mais estão sonhando com o título, confiantes no futebol e em busca da conquista", afirmou Neymar, liberando a empolgação.
Tite se mantém fiel ao 4-1-4-1, em que Casemiro é o grande engenheiro da marcação e Paulinho, preferencialmente, faz o trabalho de área em área. Mas o esquema é flexível, variando para 4-2-3-1 e até para 4-3-3 de acordo com as circunstâncias da disputa.
É assim que Tite, técnico que vai para a sua primeira Copa do Mundo, portanto sem experiência, acredita ser possível levar o Brasil ao ambicionado hexa e sem mudanças de filosofia em função de rival. "Temos uma forma de jogar. Não mudamos nosso jeito se formos jogar contra a Alemanha. Tentamos repetir o padrão".
Tudo isso vai ter sua eficiência colocada à prova a partir de agora. Os testes acabaram. Vem aí a Copa do Mundo. O caminho prevê sete jogos até o título - três na fase de grupos. E se durante o percurso houver tropeço, o bom currículo de Tite até agora - 17 vitórias, 3 empates e 1 derrota - pode não valer de nada.