Moro levou a quarta surra

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 14/06/2018 às 07:48:00

 

* Rômulo Rodrigues
O pomposo e internacional Juiz Sérgio Moro acaba de sofrer sua quarta reprimenda durante uma audiência, na sua cruzada odiosa para incriminar e criminalizar petistas durante depoimentos, na já desacreditada Operação Lava Jato, durante o interrogatório de mais uma testemunha de defesa de Lula.
A primeira grande chacoalhada foi dada por José Dirceu durante vários momentos em ele afirmou: Dr. está nos autos e batia levemente numa pasta à frente do Juiz para ver se este entendia que "Os Autos" era o que estava no processo.
Para surpresa geral, o depoimento que durou cinco massacrantes horas, não foi suficiente para Moro entender o que eram "Autos" e condenou Dirceu à prisão perpétua.
A segunda foi em outro depoimento em que o Advogado de defesa do Presidente Lula o questionou e afirmou taxativamente que o Juiz era desconhecedor do Código do Processo Penal.
 A terceira foi do próprio Lula, no seu aguardado depoimento como réu ao, por duas vezes, devolver folhas de papel apresentadas pelo Juiz como documentos por rasura e por falta de assinatura e de quebra dar-lhe uma reprimenda quando este usou a palavra denegrir.
A quarta e, até agora, última, foi do Jornalista, Escritor e Biógrafo Fernando Morais certamente desconhecido para ele; que teve que explicar a diferença entre fazer Jornalismo e fazer Propaganda; quando o diálogo entre a testemunha de defesa de Lula, Fernando e, o Advogado de defesa, Dr. Zanin, fugiu do campo da limitada compreensão do juiz.
O certo é que o outrora todo poderoso de Curitiba já apresenta rachaduras na sua casca dura e já não bastam suas aparições esfuziantes como a última, em Monte Carlo, local onde desfilam as celebridades mais ricas do mundo, onde os preços são exorbitantes e mesmo assim, o doutor e a exibidíssima esposa passaram cinco dias; às custa sabe-se  lá quem?
Quem pagou, até pode não interessar aos mais apaixonados; é da natureza do ser humano. Mas, depois do convescote nos EUA com o casal Dória, Marun e Pedro Parente, emendar com o pomposo passeio no Principado de Mônaco e voltar dizendo que não vai julgar os processos que envolvem os Tucanos alegando cansaço; fala sério!
Aproveitando a ausência do casal ostentação da República de Curitiba, o Instituto Datafolha soltou uma pesquisa que, se ele fosse normal, deveria ficar de orelhas em pé.
Na pesquisa Datafolha do último final de semana, verdades se repetiram e novas verdades apareceram.
Nas repetidas, o que virou fato concreto; lula continua liderando em todos os cenários e, até mantido preso, ganha a eleição.
Entre as verdades que o Jornal Folha de Sâo Paulo omitiu está a que na impossibilidade da candidatura de Lula, a transferência de votos para um candidato do PT, apoiado por ele ou seja, candidato do Lula; no lugar do lula na Urna; o coloca no segundo turno da eleição e aí, vem o grande enigma; para evitar que Lula ou outro candidato do Partido dos Trabalhadores vença a eleição; só e, somente só; cancelando-a como os Militares fizeram com a de  1965 para evitar que Juscelino Kubitschek voltasse consagrado nos braços do povo, assim como Getúlio Vargas voltou em 1951; assim como Lula voltará em 1º de Janeiro de 2019, o que só será impedido com outro golpe dentro dos golpes.
A pesquisa também traz outras verdades que não dá para esconder e não revelar; a reprovação do sistema judicial chegou a 82%, assim como o Jornalismo, caracterizando o repúdio da sociedade a estes dois pilares do golpismo.
Para 72% da população a vida piorou com o golpe, o que é visível ao andar pelas ruas e ver a quantidade de Lojas fechadas e de casas e prédios com placas de vende-se e aluga-se e, pelas feiras livres ver o desespero estampado nos rostos dos feirantes pelas quedas nas vendas; resultado do empobrecimento de várias camadas sociais.
Uma surpresa é que o índice de reprovação do Congresso Nacional está abaixo dos outros, com 67%, mesmo sofrendo um intenso massacre provocado pelo intenso bombardeio de criminalização feito pela mídia oligopolizada, a cada minuto, 24 horas por dia.
Quando o cidadão compara o sistema político com os R$ 90 bilhões do Judiciário e os R$ 200 bilhões do aparato militar federal, por ano, se depara com os custos altíssimos de dois sistemas fechados que a população, que paga, não tem meios de fazer qualquer cobrança.
O político, que é malhado e criminalizado, está sempre aberto ao cidadão se aproximar e fazer cobranças sobre seus desempenhos e compromissos com a coisa pública e, ouvir desculpas, explicações e promessas.
Experimente interpelar um Ministro, um Desembargador, um Juiz, um Promotor, um Delegado, um Oficial de alta patente e veja qual sua garantia de preservar sua liberdade, exercendo seu direito de cidadania.
A situação do Juiz Sérgio Moro anda tão complicada que a única referência que lhe pode ser dada em uma placa qualquer talvez seja esta: censurou o Lula; censurou os familiares do Lula; censurou os partidários do lula; censurou o Papa Francisco e acabou calando a torcida verde e amarela na Copa.
* Rômulo Rodrigues é militante político

* Rômulo Rodrigues


O pomposo e internacional Juiz Sérgio Moro acaba de sofrer sua quarta reprimenda durante uma audiência, na sua cruzada odiosa para incriminar e criminalizar petistas durante depoimentos, na já desacreditada Operação Lava Jato, durante o interrogatório de mais uma testemunha de defesa de Lula.
A primeira grande chacoalhada foi dada por José Dirceu durante vários momentos em ele afirmou: Dr. está nos autos e batia levemente numa pasta à frente do Juiz para ver se este entendia que "Os Autos" era o que estava no processo.
Para surpresa geral, o depoimento que durou cinco massacrantes horas, não foi suficiente para Moro entender o que eram "Autos" e condenou Dirceu à prisão perpétua.
A segunda foi em outro depoimento em que o Advogado de defesa do Presidente Lula o questionou e afirmou taxativamente que o Juiz era desconhecedor do Código do Processo Penal.
 A terceira foi do próprio Lula, no seu aguardado depoimento como réu ao, por duas vezes, devolver folhas de papel apresentadas pelo Juiz como documentos por rasura e por falta de assinatura e de quebra dar-lhe uma reprimenda quando este usou a palavra denegrir.
A quarta e, até agora, última, foi do Jornalista, Escritor e Biógrafo Fernando Morais certamente desconhecido para ele; que teve que explicar a diferença entre fazer Jornalismo e fazer Propaganda; quando o diálogo entre a testemunha de defesa de Lula, Fernando e, o Advogado de defesa, Dr. Zanin, fugiu do campo da limitada compreensão do juiz.
O certo é que o outrora todo poderoso de Curitiba já apresenta rachaduras na sua casca dura e já não bastam suas aparições esfuziantes como a última, em Monte Carlo, local onde desfilam as celebridades mais ricas do mundo, onde os preços são exorbitantes e mesmo assim, o doutor e a exibidíssima esposa passaram cinco dias; às custa sabe-se  lá quem?
Quem pagou, até pode não interessar aos mais apaixonados; é da natureza do ser humano. Mas, depois do convescote nos EUA com o casal Dória, Marun e Pedro Parente, emendar com o pomposo passeio no Principado de Mônaco e voltar dizendo que não vai julgar os processos que envolvem os Tucanos alegando cansaço; fala sério!
Aproveitando a ausência do casal ostentação da República de Curitiba, o Instituto Datafolha soltou uma pesquisa que, se ele fosse normal, deveria ficar de orelhas em pé.
Na pesquisa Datafolha do último final de semana, verdades se repetiram e novas verdades apareceram.Nas repetidas, o que virou fato concreto; lula continua liderando em todos os cenários e, até mantido preso, ganha a eleição.
Entre as verdades que o Jornal Folha de Sâo Paulo omitiu está a que na impossibilidade da candidatura de Lula, a transferência de votos para um candidato do PT, apoiado por ele ou seja, candidato do Lula; no lugar do lula na Urna; o coloca no segundo turno da eleição e aí, vem o grande enigma; para evitar que Lula ou outro candidato do Partido dos Trabalhadores vença a eleição; só e, somente só; cancelando-a como os Militares fizeram com a de  1965 para evitar que Juscelino Kubitschek voltasse consagrado nos braços do povo, assim como Getúlio Vargas voltou em 1951; assim como Lula voltará em 1º de Janeiro de 2019, o que só será impedido com outro golpe dentro dos golpes.
A pesquisa também traz outras verdades que não dá para esconder e não revelar; a reprovação do sistema judicial chegou a 82%, assim como o Jornalismo, caracterizando o repúdio da sociedade a estes dois pilares do golpismo.
Para 72% da população a vida piorou com o golpe, o que é visível ao andar pelas ruas e ver a quantidade de Lojas fechadas e de casas e prédios com placas de vende-se e aluga-se e, pelas feiras livres ver o desespero estampado nos rostos dos feirantes pelas quedas nas vendas; resultado do empobrecimento de várias camadas sociais.
Uma surpresa é que o índice de reprovação do Congresso Nacional está abaixo dos outros, com 67%, mesmo sofrendo um intenso massacre provocado pelo intenso bombardeio de criminalização feito pela mídia oligopolizada, a cada minuto, 24 horas por dia.
Quando o cidadão compara o sistema político com os R$ 90 bilhões do Judiciário e os R$ 200 bilhões do aparato militar federal, por ano, se depara com os custos altíssimos de dois sistemas fechados que a população, que paga, não tem meios de fazer qualquer cobrança.
O político, que é malhado e criminalizado, está sempre aberto ao cidadão se aproximar e fazer cobranças sobre seus desempenhos e compromissos com a coisa pública e, ouvir desculpas, explicações e promessas.
Experimente interpelar um Ministro, um Desembargador, um Juiz, um Promotor, um Delegado, um Oficial de alta patente e veja qual sua garantia de preservar sua liberdade, exercendo seu direito de cidadania.
A situação do Juiz Sérgio Moro anda tão complicada que a única referência que lhe pode ser dada em uma placa qualquer talvez seja esta: censurou o Lula; censurou os familiares do Lula; censurou os partidários do lula; censurou o Papa Francisco e acabou calando a torcida verde e amarela na Copa.
* Rômulo Rodrigues é militante político