Gualberto põe em dúvida liberações de recursos anunciadas por André Moura

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Gualberto discursa na Assembleia Legislativa
Gualberto discursa na Assembleia Legislativa

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 26/06/2018 às 07:36:00

 

O deputado estadual 
Francisco Gualberto 
(PT), líder do governo na Assembleia Legislativa, revelou na sessão desta segunda-feira (25) que existe entre alguns prefeitos a preocupação com a liberação concreta de recursos financeiros anunciados em larga escala pelo deputado federal André Moura, líder do governo Temer no Congresso Nacional.
Ciente de que existe uma clara diferença entre indicar e liberar recursos, Gualberto recomenda cautela aos prefeitos que aguardam pelo dinheiro prometido para obras e outras ações. "Uma coisa é indicar o recurso federal. Outra coisa é indicar o recurso e este chegar ao seu destino. A não ser que isso valha para todos os deputados federais, menos para André Moura, por mais boa vontade que ele tenha", disse.
O deputado petista ressalta que todos os deputados federais têm direito à indicação de emendas para municípios.  Mesmo assim, todos têm limites, até os aliados do governo federal. "Mas as notícias que André Moura anuncia para Sergipe são de valores ilimitados. Tem pessoas que dizem que pode vir para Sergipe mais de R$ 1 bilhão. Outros fazem referência a R$ 1,5 bi, mas também já ouvi falar de números que se aproximam de R$ 2 bilhões", revela Francisco Gualberto.
Lembrando a vigência do calendário eleitoral, Gualberto alerta que o que não for empenhado até o dia 6 de julho, na Caixa Econômica Federal, vira promessa sem prazo de cumprimento. "Eu torço para que seja liberado o que está sendo anunciado. Se não ocorrer será uma grande frustração para os prefeitos, e cabe a eles acreditarem no santo que desejar", diz o deputado.  "Eu torço para que esses recursos venham mesmo para Sergipe. Nunca torci contra o recebimento de recursos para o Estado, mesmo quando fiz oposição ao governo de João Alves. Não faço a política do quanto pior, melhor".
Apesar de todo estardalhaço na mídia, Gualberto diz achar estranho o fato de um deputado federal conseguir liberar recursos para qualquer área num estado como Sergipe. Ele relatou um episódio em que André chegou num assentamento em Poço Redondo, acompanhado de um representante do Incra, e publicamente vinculou a liberação de recursos para aquele local à indicação de técnicos feita pelo prefeito, desconsiderando os técnicos especializados do Incra. "Então o prestígio do deputado André Moura serve para fazer vir o recurso, e também para que não venha".
"Então, pelo volume de anúncios e promessas, eu acho que irá ocorrer alguma frustração. São números que podem chegar a R$ 2 bilhões, não é pouca coisa. Basta lembrar que o governo do Estado pleiteou R$ 560 milhões junto à Caixa para recuperação das rodovias de Sergipe, porém alguns 'dedos' se movimentaram em Brasília e o projeto até hoje não foi liberado", disse, referindo-se ao Finisa, empréstimo aprovado na Assembleia Legislativa, mas que até hoje não foi liberado por Temer.

O deputado estadual  Francisco Gualberto  (PT), líder do governo na Assembleia Legislativa, revelou na sessão desta segunda-feira (25) que existe entre alguns prefeitos a preocupação com a liberação concreta de recursos financeiros anunciados em larga escala pelo deputado federal André Moura, líder do governo Temer no Congresso Nacional.
Ciente de que existe uma clara diferença entre indicar e liberar recursos, Gualberto recomenda cautela aos prefeitos que aguardam pelo dinheiro prometido para obras e outras ações. "Uma coisa é indicar o recurso federal. Outra coisa é indicar o recurso e este chegar ao seu destino. A não ser que isso valha para todos os deputados federais, menos para André Moura, por mais boa vontade que ele tenha", disse.
O deputado petista ressalta que todos os deputados federais têm direito à indicação de emendas para municípios.  Mesmo assim, todos têm limites, até os aliados do governo federal. "Mas as notícias que André Moura anuncia para Sergipe são de valores ilimitados. Tem pessoas que dizem que pode vir para Sergipe mais de R$ 1 bilhão. Outros fazem referência a R$ 1,5 bi, mas também já ouvi falar de números que se aproximam de R$ 2 bilhões", revela Francisco Gualberto.
Lembrando a vigência do calendário eleitoral, Gualberto alerta que o que não for empenhado até o dia 6 de julho, na Caixa Econômica Federal, vira promessa sem prazo de cumprimento. "Eu torço para que seja liberado o que está sendo anunciado. Se não ocorrer será uma grande frustração para os prefeitos, e cabe a eles acreditarem no santo que desejar", diz o deputado.  "Eu torço para que esses recursos venham mesmo para Sergipe. Nunca torci contra o recebimento de recursos para o Estado, mesmo quando fiz oposição ao governo de João Alves. Não faço a política do quanto pior, melhor".
Apesar de todo estardalhaço na mídia, Gualberto diz achar estranho o fato de um deputado federal conseguir liberar recursos para qualquer área num estado como Sergipe. Ele relatou um episódio em que André chegou num assentamento em Poço Redondo, acompanhado de um representante do Incra, e publicamente vinculou a liberação de recursos para aquele local à indicação de técnicos feita pelo prefeito, desconsiderando os técnicos especializados do Incra. "Então o prestígio do deputado André Moura serve para fazer vir o recurso, e também para que não venha".
"Então, pelo volume de anúncios e promessas, eu acho que irá ocorrer alguma frustração. São números que podem chegar a R$ 2 bilhões, não é pouca coisa. Basta lembrar que o governo do Estado pleiteou R$ 560 milhões junto à Caixa para recuperação das rodovias de Sergipe, porém alguns 'dedos' se movimentaram em Brasília e o projeto até hoje não foi liberado", disse, referindo-se ao Finisa, empréstimo aprovado na Assembleia Legislativa, mas que até hoje não foi liberado por Temer.