Prefeitura regulariza direitos dos servidores

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 27/06/2018 às 07:09:00

 

Nesses primeiros 18 meses da gestão do prefeito Edvaldo Nogueira à frente da Prefeitura de Aracaju, o respeito para com os servidores e a saúde financeira do município são prioridades. Depois de encontrar uma situação crítica, em meio a um esforço diário, a administração municipal está regularizando direitos que foram negados aos trabalhadores entre 2013 e 2016. Até o momento, 5.799 servidores já foram beneficiados diretamente, em um investimento de aproximadamente R$ 8,5 milhões.
 Através do trabalho realizado pelos técnicos da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplog), inclusive em 10 mutirões realizados nos finais de semana, foram reconhecidos direitos como periculosidade, insalubridade, abono de permanência, avanço de letra, titulações retroativas e indenizações. O trabalho hercúleo continua, visando agilizar o encaminhamento dos outros processos oriundos dos servidores. 
 Além da busca por garantir os direitos outrora negados, a Prefeitura de Aracaju também deu provas da valorização dos servidores ao quitar duas folhas salariais atrasadas. Desta forma, em 2017, os trabalhadores receberam 15 salários, totalizando um investimento da ordem de R$ 1,1 bilhões.
 Modificar a realidade dos servidores em tão pouco tempo só foi possível por conta do zelo pelo orçamento público. No último quadrimestre, por exemplo, houve uma redução de 9,6% nas despesas correntes com o custeio da máquina, o equivalente a R$ 60,8 milhões, um valor que vem sendo utilizado para viabilizar o pagamento de pessoal e os encargos sociais.
 A austeridade se faz necessário por conta da situação crítica encontrada. Eram R$ 540 milhões em dívidas de curto prazo. Dessas, mais de R$ 300 milhões já foram quitadas. Ela trouxe também um resultado surpreendentemente positivo em relação ao resultado primário positivo, que foi de R$ 45,7 milhões, e é superior à meta que previa um resultado negativo de até R$ 165 milhões. O resultado primário é a economia que a gestão consegue fazer para honrar com compromissos financeiros.

Nesses primeiros 18 meses da gestão do prefeito Edvaldo Nogueira à frente da Prefeitura de Aracaju, o respeito para com os servidores e a saúde financeira do município são prioridades. Depois de encontrar uma situação crítica, em meio a um esforço diário, a administração municipal está regularizando direitos que foram negados aos trabalhadores entre 2013 e 2016. Até o momento, 5.799 servidores já foram beneficiados diretamente, em um investimento de aproximadamente R$ 8,5 milhões. Através do trabalho realizado pelos técnicos da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplog), inclusive em 10 mutirões realizados nos finais de semana, foram reconhecidos direitos como periculosidade, insalubridade, abono de permanência, avanço de letra, titulações retroativas e indenizações. O trabalho hercúleo continua, visando agilizar o encaminhamento dos outros processos oriundos dos servidores.  Além da busca por garantir os direitos outrora negados, a Prefeitura de Aracaju também deu provas da valorização dos servidores ao quitar duas folhas salariais atrasadas. Desta forma, em 2017, os trabalhadores receberam 15 salários, totalizando um investimento da ordem de R$ 1,1 bilhões. Modificar a realidade dos servidores em tão pouco tempo só foi possível por conta do zelo pelo orçamento público. No último quadrimestre, por exemplo, houve uma redução de 9,6% nas despesas correntes com o custeio da máquina, o equivalente a R$ 60,8 milhões, um valor que vem sendo utilizado para viabilizar o pagamento de pessoal e os encargos sociais. A austeridade se faz necessário por conta da situação crítica encontrada. Eram R$ 540 milhões em dívidas de curto prazo. Dessas, mais de R$ 300 milhões já foram quitadas. Ela trouxe também um resultado surpreendentemente positivo em relação ao resultado primário positivo, que foi de R$ 45,7 milhões, e é superior à meta que previa um resultado negativo de até R$ 165 milhões. O resultado primário é a economia que a gestão consegue fazer para honrar com compromissos financeiros.