Impedidas pelo preconceito: a mulher e seu merecido espaço na arbitragem na Copa do Mundo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 03/07/2018 às 06:43:00

 

Ainda existe um abismo entre homens e mulheres no que diz respeito a atuação no mundo do futebol, em especial na arbitragem. Mulheres tem sido igualmente exigidas em sua preparação mas não tem as mesmas oportunidades na arbitragem que os homens.
A Copa do Mundo 2018 tem sido palco de inovações no campo da arbitragem e da quebra de tabus. Primeira copa a utilizar novas tecnologias como o VAR (video arbitragem). Além disso, esta é a primeira que conta com comentaristas e narradoras mulheres. 
Isabelly Morais, 20 anos, natural de Itamarandiba, Minas Gerais, fez história quando se tornou a primeira mulher a narrar uma partida de Copa do Mundo na TV brasileira, pela Fox Sports. Na Alemanha, pela emissora ZDF, a jornalista Claudia Neumann narra algumas partidas da Copa do Mundo da Rússia. 

Ainda existe um abismo entre homens e mulheres no que diz respeito a atuação no mundo do futebol, em especial na arbitragem. Mulheres tem sido igualmente exigidas em sua preparação mas não tem as mesmas oportunidades na arbitragem que os homens.
A Copa do Mundo 2018 tem sido palco de inovações no campo da arbitragem e da quebra de tabus. Primeira copa a utilizar novas tecnologias como o VAR (video arbitragem). Além disso, esta é a primeira que conta com comentaristas e narradoras mulheres. 
Isabelly Morais, 20 anos, natural de Itamarandiba, Minas Gerais, fez história quando se tornou a primeira mulher a narrar uma partida de Copa do Mundo na TV brasileira, pela Fox Sports. Na Alemanha, pela emissora ZDF, a jornalista Claudia Neumann narra algumas partidas da Copa do Mundo da Rússia.