O Brasil dos extremos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 06/07/2018 às 08:02:00

 

O Brasil é um país desconheci
do dos próprios cidadãos. A 
conclusão inusitada toma por base os dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. A julgar por tais números, o impávido colosso tem muitas faces. E a maioria se revela em franco desacordo com o imaginário nacional.
Segundo o Perfil dos Municípios e Estados brasileiros levantado pelo IBGE, o país abençoado por Deus e bonito por natureza é lugar de instabilidade climática, carente de polícias ambientais à altura da própria diversidade. Se o nordeste sofre com a seca, um mal que os dados revelam não ser um privilégio da região,há desastres ambientais espalhados por todo o território nacional.
Um lugar de extremos. Embora a estiagem prolongada seja o problema mais comum, 31% dos municípios registraram casos de alagamentos, 27,2%, 27,2% de enxurradas, 19,6% de erosão e 15% de deslizamentos. Pior do que a instabilidade destacada em percentuais tão elevados, no entanto, é a falta de tecnologia e disposição para lidar com eventuais crises. A maioria dos municípios brasileiros (59,0%) não apresenta nenhum instrumento voltado para a prevenção de desastres naturais.
O documento do IBGE tem diversos recortes, resultando em um todo muito abrangente, capaz de dar conta das dimensões continentais do território nacional. O dado unificador, no entanto, é simplesmente vergonhoso e coloca em risco a vida dos brasileiros, bem como soterra qualquer chance de protagonismo no cenário internacional. Secas e alagamentos não prosperam por obra e graça da natureza. De norte a sul do País, a pesquisa o revela, prevalece o descaso com a pauta ambiental.

O Brasil é um país desconheci do dos próprios cidadãos. A  conclusão inusitada toma por base os dados divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. A julgar por tais números, o impávido colosso tem muitas faces. E a maioria se revela em franco desacordo com o imaginário nacional.
Segundo o Perfil dos Municípios e Estados brasileiros levantado pelo IBGE, o país abençoado por Deus e bonito por natureza é lugar de instabilidade climática, carente de polícias ambientais à altura da própria diversidade. Se o nordeste sofre com a seca, um mal que os dados revelam não ser um privilégio da região,há desastres ambientais espalhados por todo o território nacional.
Um lugar de extremos. Embora a estiagem prolongada seja o problema mais comum, 31% dos municípios registraram casos de alagamentos, 27,2%, 27,2% de enxurradas, 19,6% de erosão e 15% de deslizamentos. Pior do que a instabilidade destacada em percentuais tão elevados, no entanto, é a falta de tecnologia e disposição para lidar com eventuais crises. A maioria dos municípios brasileiros (59,0%) não apresenta nenhum instrumento voltado para a prevenção de desastres naturais.
O documento do IBGE tem diversos recortes, resultando em um todo muito abrangente, capaz de dar conta das dimensões continentais do território nacional. O dado unificador, no entanto, é simplesmente vergonhoso e coloca em risco a vida dos brasileiros, bem como soterra qualquer chance de protagonismo no cenário internacional. Secas e alagamentos não prosperam por obra e graça da natureza. De norte a sul do País, a pesquisa o revela, prevalece o descaso com a pauta ambiental.