Primeiro andar do antigo hotel está interditado

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
MEDIDA FOI TOMADA ONTEM POR TÉCNICOS DA DEFESA CIVIL E ATENDE DETERMINAÇÃO JUDICIAL. NO DIA 20 SERÁ FEITA NOVA INSPEÇÃO EM TODO O EDIFÍCIO
MEDIDA FOI TOMADA ONTEM POR TÉCNICOS DA DEFESA CIVIL E ATENDE DETERMINAÇÃO JUDICIAL. NO DIA 20 SERÁ FEITA NOVA INSPEÇÃO EM TODO O EDIFÍCIO

Técnicos da Defesa Civil interditam todo o 1º andar do antigo Hotel Palace
Técnicos da Defesa Civil interditam todo o 1º andar do antigo Hotel Palace

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 10/07/2018 às 01:24:00

Profissionais da Defesa Civil Estadual, em parceria com o Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe realizaram na manhã de ontem a interdição geral do primeiro pavimento do antigo Hotel Palace, região central de Aracaju. Conforme destacado pelos peritos, a medida tem caráter preventivo em virtude da irregular condição estrutural do imóvel. Mais um capítulo da novela envolvendo o conflito argumentativo entre gestores e condôminos. No último mês de maio a justiça determinou a interdição do espaço; em junho um alvará favorecendo aos comerciantes foi expedido pelo desembargador Alberto Romeu Gouveia, do Tribunal de Justiça de Sergipe.

Durante o processo de interdição do espaço agentes do CBM e técnicos da Defesa Civil ressaltaram que a medida se torna essencial quando se deseja minimizar os riscos de acidente envolvendo consumidores, transeuntes, bem como os próprios donos de barracas e trabalhadores da redondeza. No dia 20 de julho, acontece uma vistoria geral no prédio, para verifica a situação estrutural e se os reparos que devem ser feitos, estão de fato acontecendo. Caso nenhum avanço seja identificado, existe a perspectiva de o imóvel permanecer suspenso para fluxo de pessoas por tempo indeterminado, ou até que os reparos exigidos sejam concluídos.

Para o major Luciano Queiroz, secretário executivo da Defesa Civil Estadual, esta medida poderia ser evitada caso os comerciantes respeitassem as recomendações iniciais, as quais inviabilizam o acesso ao local. De acordo com o especialista, essa desobediência contribui diretamente para agravar os riscos de incêndio e consequente ruptura da estrutura Hotel Palace. Sobre o andar das reformas, a direção da Secretaria do Patrimônio Público (SPU), informou que os serviços seguem parados, mas será iniciada no próximo dia 18. Já o Governo do Estado de Sergipe disse que segue aguardando a liberação de licenças ambientações para iniciar as obras na parte administrada pela Secretaria de Estado do Turismo.
"Não podemos permitir que decisões sejam desrespeitadas e milhares de pessoas que trabalham ou transitam por aqui local estejam correndo risco real de acidente. Essa não é a primeira vez que chamávamos a atenção para a necessidade de aplicar uma manutenção geral no espaço que está com várias partes da estrutura comprometida. A interdição se fez indispensável para este momento", declarou. Conforme oficializado pelo Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil da Secretaria de Estado da Inclusão Social (Depec/Seidh), partir de agora somente terão acesso as equipes da empresa contratada para realizar as obras de reparo permitidas pela Justiça.
Membros do Ministério Público Estadual também seguem acompanhando os encaminhamentos administrativos desta demanda. Em comunicado público, a Defesa Civil garantiu que, dentro da atual circunstância, é possível afirmar não há risco de colapso da estrutura do Hotel Palace. Porém, ainda há fatores de risco que podem provocar incêndio e, nessa circunstância, sim, poderia haver desabamento. Ainda por meio de nota o engenheiro José Roberto Oliveira declarou que já foi iniciado o serviço de retirada de pastilhas que oferecem risco de descolamento, podendo atingir pedestres.
 "Internamente, foi feito um novo projeto da instalação elétrica dos dois primeiros pavimentos, atendendo às novas normas, que deverá ser aprovado pela Energisa. Essa medida evitará a possibilidade de incêndio, principal risco para a estrutura da edificação. Há outros procedimentos de reforço estrutural sendo feitos, como reparos de paredes e lajes corroídas por infiltração", declarou. (Milton Alves Júnior)