Bélgica e França brigam pela grande final

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
França e Bélgica entram em campo esta tarde de olho na grande final da Copa do Mundo Rússia 2018
França e Bélgica entram em campo esta tarde de olho na grande final da Copa do Mundo Rússia 2018


Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 10/07/2018 às 01:45:00

A Copa do Mundo vai chegando ao seu momento mais aguardado, com a definição dos finalistas da edição de 2018. Depois passarem por Uruguai e Brasil com autoridade, França e Bélgica, respectivamente, abrem as semifinais nesta terça-feira, 10, às 15 horas (horário de Brasília), em São Petersburgo.
Considerados favoritos ao lado dos já eliminados brasileiros e alemães desde a abertura do certame, Les Bleus sobreviveram à onda de quedas dos campeões mundiais na Rússia e agora rivalizam contra uma seleção que não perde há quase dois anos e ainda está 100% no torneio.
A outra semifinal acontece na quarta-feira e reúne Croácia x Inglaterra. Os perdedores decidem a terceira posição na tarde de sábado. As duas equipes, embora tenham uma formação titular bastante clara, têm dúvidas para a partida decisiva - às 15h de terça-feira, em São Petersburgo.

Bélgica forte - Na Bélgica, o técnico Roberto Martínez deve armar a defesa com quatro zagueiros de origem - uma experiência inédita para a equipe neste Mundial. A seleção começou o torneio com três zagueiros e dois alas avançados; contra o Brasil, passou um dos zagueiros (Vertonghen) para a lateral esquerda e segurou na defesa o ala direito, Meunier. Acontece que o próprio Meunier está suspenso para o jogo com a França.
Com isso, o mais provável é que Martínez passe o zagueiro Alderweireld para a lateral direita, coloque Vermaelen na zaga, ao lado de Kompany, e mantenha Vertonghen na esquerda. Se escalar o time com esta alteração, Martínez deverá levar a Bélgica para tentar sua primeira final de Copa com: Courtois; Alderweireld, Kompany, Vertonghen e Vermaelen; Chadli, Witsel e Fellaini; De Bruyne, Hazard e Lukaku.

França - Na França, a dúvida está no meio. Matuidi, suspenso, não foi a campo contra o Uruguai. Tolisso entrou no time e teve ótima atuação. Curiosamente, Tolisso havia começado a Copa como titular, mas foi substituído por Matuidi já na segunda partida. O técnico Didier Deschamps terá que escolher entre um deles.
França e Bélgica disputam à semifinal invictas na competição. Isso quer dizer que se uma das duas seleções alcançar o título mundial, teremos um campeão invicto pela segunda edição consecutiva de Copa do Mundo - seria o 17º campeão invicto da história do torneio. A Alemanha de 2014 (seis vitórias e um empate) quebrou um tabu de oito anos sem que o vencedor terminasse a competição sem ser derrotado - a Itália, campeã em 2006 (cinco vitórias e dois empates), havia sido o último país a atingir tal marca.