Polícia investiga golpe da 'restituição do IPTU'

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 11/07/2018 às 01:09:00

A 1ª Delegacia Metro-politana (1ª DM) abriu um inquérito para investigar um golpe praticado por um homem que se passa por funcionário da Secretaria Municipal da Fazenda de Aracaju (Semfaz). Pelo menos quatro boletins de ocorrência já foram registrados na Polícia Civil para relatar a ação do criminoso, que está indo às casas das pessoas para oferecer uma suposta restituição do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano). A informação também já foi confirmada pela própria Prefeitura de Aracaju.
Entre as vítimas já identificadas, está uma aposentada que mora na rua Divina Pastora, no bairro Getúlio Vargas (zona central). Ela conta que foi abordada e casa por um homem bem-vestido que apresentou um papel em branco com timbres da PMA e convenceu-a a entregar o cartão da conta bancária, a respectiva senha e os documentos pessoais. o argumento do bandido é que a vítima teria cerca de R$ 9 mil a receber, a título de devolução de pagamentos de IPTU feitos pelo pai dela antes de falecer. A mulher cedeu os documentos, mas percebeu depois que se tratava de um golpe e procurou a polícia.

Em outro caso, uma segunda mulher relatou que o mesmo homem fez perguntas sobre modificações na estrutura da residência e o pagamento do imposto. Ao ouvir a resposta da mulher de que ela era isenta do pagamento, o golpista passou então a dizer que ela teria uma restituição a receber, por pagamentos que ela teria feito em anos anteriores. A mulher percebeu que se tratava de um golpe quando o falso servidor pediu a senha do cartão, dispensou-o e procurou a Semfaz para denunciar a tentativa de golpe.

O delegado Everton Santos confirmou ontem que já começou a ouvir depoimentos para tentar identificar o estelionatário e se houve alguma subtração de recursos das vítimas. Ele também orientou a população a não ceder nenhum dado pessoal a pessoas estranhas e desconfiar de pessoas que se apresentam como funcionários de bancos e instituições públicas. Já o secretário municipal da Fazenda, Jeferson Passos, ressalta que em nenhuma hipótese a administração encaminha qualquer servidor para tratar de restituição de valores na residência do cidadão. "Esse tipo de processo é iniciado a partir da solicitação do contribuinte, feita presencialmente na secretaria, e também só é finalizado no próprio órgão", enfatiza.
Jefferson orienta que o cidadão acione a polícia caso receba qualquer pessoa sem identificação, seja fardamento ou crachá profissional, que se apresente como servidor da Prefeitura ou da Fazenda, pedindo dados bancários. "De forma alguma é um procedimento nosso. Pedimos que a população fique atenta e denuncie, caso ocorra alguma situação semelhante a relatada pela contribuinte", destaca o secretário.