Lula é o PT

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 18/07/2018 às 01:17:00

O PT continua apostando tudo na can-didatura do ex-presidente Lula, que está preso há 100 dias na sede da Polícia Federal de Curitiba. Em todos os Estados, grandes mobilizações estão sendo realizadas em defesa de "Lula livre". Em Pernambuco, teve início na segunda-feira a Marcha "Lula Livre, Lula Inocente", que percorrerá 100 quilômetros. A Marcha começou em Caruaru e deverá seguir até Recife, com atos que acontecerão diariamente nos municípios do roteiro.
Em Sergipe, o vice-presidente nacional do PT e pré-candidato a deputado federal de Lula, Marcio Macedo, levou no último domingo, a Caravana Lula Livre ao município de Itabaiana para dizer ao povo que o ex-presidente Lula é, de fato, pré-candidato à presidência da República. Marcio ressaltou ainda que a prisão política de Lula é injusta, ilegal e arbitrária. Sempre acompanhado do presidente estadual do partido, Rogério Carvalho, do deputado federal João Daniel, e de outras lideranças, eles vêm percorrendo todos os municípios de Sergipe.
"Lula me pediu para dizer ao povo que ele será sim candidato. A prisão do ex-presidente foi cavada por aqueles que têm medo de enfrenta-lo nas ruas, mas vamos registrar no dia 15 de agosto a candidatura de Lula e ele vai voltar para colocar o Brasil nos trilhos novamente, e termos, mais uma vez, um país decente. Lula, que é o maior líder político do Brasil, vai tirar o país desse caos instalado por Temer e sua turma", declara.
"Estamos indo às ruas para denunciar a injustiça que está sendo feita contra Lula e sempre fico muito feliz com a receptividade do povo. Quando a caravana passa, as pessoas saem das suas casas e demonstram um enorme carinho por Lula e pelo time escolhido por ele para estar ao seu lado e ajudá-lo a reorganizar o país. É sempre muito gratificante e sentimos que há uma renovação de esperança para todos. É Lula livre, Lula inocente, Lula presidente", enfatiza o vice-presidente nacional do PT.
E não é só no Nordeste, onde a popularidade de Lula bate recorde onde existe esta mobilização. Em São Paulo, o ex-presidente nacional do PT, deputado Rui Falcão (SP) é um dos que está tratando do novo programa de governo a ser apresentado pelo PT. Ele garante que o partido continuará a insistir na candidatura de Lula à presidência da República e diz que o programa de governo do PT não será contrário ao mercado. Segundo Falcão, o programa de Lula vai fazer a economia voltar a rodar. "Se amplia o crédito, tira imposto sobre o consumo, passa a comprar mais, o comércio vende mais, as indústrias produzem mais. Ter estabilidade do câmbio, da inflação e baixar a taxa de juros é bom para o empresariado. A Carta aos Brasileiros era para acalmar o mercado, agora não é antimercado, é a favor do povo, da maioria", disse ele, em entrevista a Marina Dias.
Rui também antecipou que, se Lula vier a ser impedido, o PT terá candidato a presidente da República. "Vamos registrar Lula e, se de todo for inviável, será escolhido alguém para representá-lo. Isso vai ocorrer até 20 dias antes do primeiro turno", disse ele. "O potencial apareceu no Datafolha: 30% votariam no nome indicado por ele e 17% talvez votariam. Com os últimos episódios, escancarando parcialidade e injustiça, o poder de transferência deve se ampliar."
O ex-presidente do PT também rechaçou eventuais alianças com forças que apoiaram o golpe. "Nosso programa é incompatível com esse bloco que apoia Temer. Queremos revogar a emenda 95 [que cria teto para os gastos públicos], que congela o Orçamento por 20 anos, acabando com a possibilidade de ampliar programas sociais e melhorar serviços públicos; queremos revogar a reforma trabalhista, pelo menos o que prejudica os trabalhadores, recuperar a soberania nacional, revendo privatizações na área do petróleo."
A festa de lançamento da candidatura já tem até data: 15 de agosto, em Brasília, dia em que Lula será oficializado na disputa à Presidência da República. Para acompanhar o registro do nome do ex-presidente junto à Justiça Eleitoral, movimentos sociais, partidos de esquerda e centrais sindicais preparam uma marcha que deve sair da cidade de Luziânia três dias antes e terminar com grande ato na capital federal.
O plano principal do PT continua sendo ex-presidente Lula.

De volta
O prefeito Edvaldo Nogueira reassumiu a gestão municipal, na noite desta segunda-feira, em rápida cerimônia, em seu gabinete, no Centro Administrativo Aloísio Campos. Por 11 dias (entre 5 e 16 de julho), a cidade foi gerida pelo presidente da Câmara, vereador Nitinho Vitale. Neste período, Edvaldo esteve fora do país, em viagem aos Estados Unidos, onde participou do programa "Acelerando o crescimento das cidades brasileiras", curso oferecido pela Universidade de Columbia, em Nova Iorque.

Curso
"Foi bastante importante este curso, pois, pela primeira na história, Aracaju foi escolhida para participar de um momento de discussão sobre as cidades num ambiente tão relevante quanto a Universidade de Colúmbia. De modo que retorno ao comando da administração municipal, com muitas ideias, com reafirmação das convicções do nosso planejamento para a cidade e com ainda mais disposição para trabalhar pelo desenvolvimento e progresso de Aracaju", afirmou o prefeito.

Em Aracaju
A vice-prefeita Eliane Aquino (PT) também já retornou à capital. Ontem ela participou da cerimônia de implantação do prontuário digital nos postos de saúde de Aracaju. Com a viagem de Edvaldo aos EUA, Eliane precisou se ausentar do Estado, porque se assumisse a PMA ficaria inelegível para as eleições de outubro. E ela alimenta a pretensão de participar do pleito.

Encontro
Ainda esta semana, Eliane Aquino e Belivaldo Chagas deverão se reunir. O governador, que é candidato à reeleição, cobra da vice-prefeita uma resposta ao convite para que ela seja candidata a vice-governadora. O PT já avisou que não cria nenhum problema para a candidatura, mas Eliane preferia disputar vaga de deputada federal. As convenções partidárias serão realizadas entre 20 de julho e cinco de agosto.

Reeleição
Como tem claro que o prefeito Edvaldo Nogueira vai pleitear uma candidatura à reeleição, em 2020, Eliane tem sido orientada a buscar um novo mandato, já que, a princípio, não teria como disputar também a PMA. A definição está perto de sair.

Por Ciro
O PDT nacional ofereceu ao PSB o apoio em diversos estados pelo apoio a Ciro Gomes. Entre os quais, Distrito Federal, Espírito Santo, São Paulo e Sergipe. Caso seja fechado o acordo a nível nacional, a executiva nacional do PDT obrigará a aliança com o PSB nesses Estados, independente da posição do diretório regional. No caso de Sergipe, presidido pelo ex-prefeito de Socorro, Fábio Henrique, que pretende disputar mandato de deputado federal.

No governo
Fábio Henrique integra o governo Belivaldo Chagas com a Secretaria de Turismo, presidência da Deso e outros cargos. Mas não deixa de flertar tanto com Valadares Filho quanto com o senador Eduardo Amorim (PSDB), também candidato a governador.

Sem espaço
A vereadora de Aracaju Emília Corrêa (Patriota) lamentou que sua pré-candidatura ao Senado não tenha prosperado, no entendimento da direção do partido. "Eu não desisti. Na avaliação do partido todo o esforço foi feito, mas que chegou o final de linha porque não se encontrou espaço em grupos partidários para coligação numa vaga para Senado. Inclusive, a ideia de uma disputa para o Senado partiu do  presidente, João Nascimento. Apesar de nunca ter passado pela minha cabeça, abracei o projeto com dedicação e responsabilidade. No meu juízo, era possível seguir em direção ao Senado pela via de partidos menores. Porém, o partido entendeu diferente", revelou.

Vice
Acerca do convite, fruto das conversas com o Patriota, para disputar vaga de vice governadora de Sergipe, pelo grupo de Valadares Filho(PSB) e também pelo grupo de Eduardo Amorim(PSDB), Emília disse se sentir  honrada e grata, mas recusou por entender  que não seria o momento para executivo. "Não é fácil decidir algo assim. Qual o político que não gostaria de ser convidado por dois grandes grupos políticos de Sergipe? Para mim foi muita honra.  Ao contrário do que alguns disseram, estaria preparada para o desafio do cargo, tanto quanto ao Senado, mas optei por não abraçar nenhum dos dois projetos por entender que estaria numa situação em que não poderia ser proativa, que é meu perfil. Isso não significa que essa decisão de momento inviabilize aceitar um desafio para o executivo no futuro", disse.

Saúde mental
No próximo dia 19 de julho, quinta-feira, a Assembleia Legislativa de Sergipe (ALESE) será palco de importantes debates sobre a saúde mental de meninos e meninas, durante a audiência pública "Conceito e Preconceito da Sociedade referente a Saúde Mental da Infância e da Adolescência".  A atividade acontece a partir das 8h30 no Plenário da ALESE e é uma realização da Frente Parlamentar em Defesa de Direitos da Criança e do Adolescente, coordenada pela deputada estadual Ana Lúcia.

Palestrantes
Para debater o tema, participam como palestrantes a Dra. Angélica Piovesan, doutora em educação, neuropsicóloga clínica, psicóloga e coordenadora do curso de psicologia Unit; Dr. Byron Emanuel de Oliveira Ramos - Médico Pediatra, Professor aposentado da Universidade Federal de Sergipe e ex Presidente do Departamento de Saúde Escolar da Sociedade Brasileira de Pediatria. Também participa na condição de palestrante a Pedagoga e intérprete de Libras Margarida Maria Teles, que é Mestre em Educação pela UFS, Pós graduada em Psicomotricidade pela UFS, em Educação de Surdos pelo Instituto Nacional Educação de Surdos - INES/RJ.

Em trânsito
Os eleitores que estarão fora do domicílio eleitoral em outubro podem se cadastrar para votar em trânsito até o dia 23 de agosto. O voto em trânsito pode ocorrer no primeiro, no segundo ou nos dois turnos, nas capitais e nos municípios com mais de 100 mil eleitores. Para votar em trânsito, o eleitor tem que fazer a habilitação em um cartório eleitoral, indicando o local em que estará na data das eleições.

Só presidente
Neste ano, quem estiver na unidade da federação de seu domicílio eleitoral poderá votar para presidente da República, governador, senador, deputado federal, deputado estadual ou distrital. Os eleitores que estiverem fora da unidade da federação de seu domicílio eleitoral só podem votar para presidente. O voto em trânsito foi permitido a partir das eleições de 2010, nas capitais e somente para o cargo de presidente da República. Naquele ano, 80.419 eleitores se cadastraram para votar em trânsito no primeiro turno e 76.458, no segundo turno.