São Cristóvão

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/07/2018 às 05:14:00

 

* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB
No opúsculo anual de verão "Sentieri 
e strade, parlatemi di Dio" da revista 
"Sacro Cuore", de Bolonha, encontrei graciosa versão - e parece-me mais completa - da conhecida lenda de São Cristóvão. Pensei em reproduzi-la aqui para meus leitores, para seu saboreio e até, possível edificação. Intitula-se "O bom gigante" e vou reproduzi-la com liberdade de redação.
Na Europa medieval, certa vez havia um bom gigante, chamado Adócino, de extraordinária força física. Seu maior desejo era colocar essa força prodigiosa a serviço do "homem mais poderoso do mundo". Para concretizar seu sonho, foi colocar-se a serviço de um nobre poderoso da vizinhança. No castelo desse nobre, viu que ele temia um famoso guerreiro. Sem mais, passou a ir servir o valente guerreiro. Mas, quando soube que ele obedecia ao Rei, Adócino procurou o palácio real e aí foi aceito na guarda do Rei, pela sua estatura e por sua força incrível, de que deu provas suficientes. Um belo dia, porém, notou que o Rei temia muito o demônio, e assim, Adócino foi procurar o diabo e colocou-se a seu serviço. Mas, enquanto servia Satanás, o bom gigante notou que ele fugia da Cruz e veio a saber que fora vencido por Cristo. Então, decidiu procurar esse misterioso patrão para poder servi-lo. De um santo eremita, aprendeu que Jesus se escondia sob os farrapos dos pobres, dos miseráveis, dos que nada possuíam. Instruído pelo eremita, o gigante Adócino foi servir aos necessitados, por amor de Cristo, conforme seu sonho de servir o mais poderoso deste mundo. Ele se punha na margem de um rio e, amparado com o tronco de uma árvore que lhe servia de bastão, ajudava na travessia todos os pobres que precisavam atravessar o rio, carregando-os em seus poderosos ombros. Não aceitava dinheiro por recompensa, mas apenas um "Jesus te pague!".
Certa manhã, o bom gigante ouviu dentro do matagal, às bordas do rio, uma vozinha de criança que lhe pedia para ajudá-lo a passar o rio. Adócino coloca o menino em seus ombros vigorosos e começa a travessia, enfiando o tronco n'água. Mas, depois de alguns passos, começa a sentir um peso imenso ao pescoço e vê que não pode ir mais adiante no rio. Sem saber o que fazer, exclama com força: "Jesus, ajuda-me!". E como resposta, uma doce voz infantil lhe diz ao ouvido: "Não temas, Adócino, tu levas ao ombro aquele Jesus que serves no próximo necessitado!".
Foi assim que o bom gigante realizou seu sonho de servir ao mais poderoso na pessoa dos pobres e passou a chamar-se Cristóvão, a forma portuguesa do nome latino "Christophorus", que quer dizer "portador de Cristo". Com esse nome, ele morreu mártir da fé e é padroeiro dos motoristas, com festa litúrgica celebrada pela Igreja Católica em 25 de julho (este ano, portanto, quarta-feira próxima).
* * *
Errata - Na edição n.º 4.488 (12 de julho de 2018), o artigo "Uma santa para as jovens de hoje" saiu com a foto dos meus grandes amigos Raymundo e Raymundinho Mello, este último, o Curador de meus textos para publicação em Aracaju. 
* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB é Arcebispo Emérito de Maceió (foi Bispo Auxiliar de Aracaju - 1975 a 1980)
dedvaldo@salesianorecife.com.br 

* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB


No opúsculo anual de verão "Sentieri  e strade, parlatemi di Dio" da revista  "Sacro Cuore", de Bolonha, encontrei graciosa versão - e parece-me mais completa - da conhecida lenda de São Cristóvão. Pensei em reproduzi-la aqui para meus leitores, para seu saboreio e até, possível edificação. Intitula-se "O bom gigante" e vou reproduzi-la com liberdade de redação.
Na Europa medieval, certa vez havia um bom gigante, chamado Adócino, de extraordinária força física. Seu maior desejo era colocar essa força prodigiosa a serviço do "homem mais poderoso do mundo". Para concretizar seu sonho, foi colocar-se a serviço de um nobre poderoso da vizinhança. No castelo desse nobre, viu que ele temia um famoso guerreiro. Sem mais, passou a ir servir o valente guerreiro. Mas, quando soube que ele obedecia ao Rei, Adócino procurou o palácio real e aí foi aceito na guarda do Rei, pela sua estatura e por sua força incrível, de que deu provas suficientes. Um belo dia, porém, notou que o Rei temia muito o demônio, e assim, Adócino foi procurar o diabo e colocou-se a seu serviço. Mas, enquanto servia Satanás, o bom gigante notou que ele fugia da Cruz e veio a saber que fora vencido por Cristo. Então, decidiu procurar esse misterioso patrão para poder servi-lo. De um santo eremita, aprendeu que Jesus se escondia sob os farrapos dos pobres, dos miseráveis, dos que nada possuíam. Instruído pelo eremita, o gigante Adócino foi servir aos necessitados, por amor de Cristo, conforme seu sonho de servir o mais poderoso deste mundo. Ele se punha na margem de um rio e, amparado com o tronco de uma árvore que lhe servia de bastão, ajudava na travessia todos os pobres que precisavam atravessar o rio, carregando-os em seus poderosos ombros. Não aceitava dinheiro por recompensa, mas apenas um "Jesus te pague!".
Certa manhã, o bom gigante ouviu dentro do matagal, às bordas do rio, uma vozinha de criança que lhe pedia para ajudá-lo a passar o rio. Adócino coloca o menino em seus ombros vigorosos e começa a travessia, enfiando o tronco n'água. Mas, depois de alguns passos, começa a sentir um peso imenso ao pescoço e vê que não pode ir mais adiante no rio. Sem saber o que fazer, exclama com força: "Jesus, ajuda-me!". E como resposta, uma doce voz infantil lhe diz ao ouvido: "Não temas, Adócino, tu levas ao ombro aquele Jesus que serves no próximo necessitado!".
Foi assim que o bom gigante realizou seu sonho de servir ao mais poderoso na pessoa dos pobres e passou a chamar-se Cristóvão, a forma portuguesa do nome latino "Christophorus", que quer dizer "portador de Cristo". Com esse nome, ele morreu mártir da fé e é padroeiro dos motoristas, com festa litúrgica celebrada pela Igreja Católica em 25 de julho (este ano, portanto, quarta-feira próxima).
* * *
Errata - Na edição n.º 4.488 (12 de julho de 2018), o artigo "Uma santa para as jovens de hoje" saiu com a foto dos meus grandes amigos Raymundo e Raymundinho Mello, este último, o Curador de meus textos para publicação em Aracaju. 
* Dom Edvaldo Gonçalves Amaral, SDB é Arcebispo Emérito de Maceió (foi Bispo Auxiliar de Aracaju - 1975 a 1980)dedvaldo@salesianorecife.com.br