Limpeza urbana de Aracaju: Tribunal rejeita pedido da Cavo

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 20/07/2018 às 09:45:00

 

O Pleno do Tribunal de Contas do Estado (TCE) rejeitou, por unanimidade, o pedido de liminar da empresa Cavo para suspender o contrato da licitação da limpeza pública de Aracaju, em sessão nesta quinta-feira. Por isso, está mantida a execução do contrato com a empresa Torre, que foi a vencedora do processo licitatório do lote relacionado aos serviços de coleta, transporte e descarga de resíduos sólidos urbanos.
Em entrevista à imprensa, o conselheiro relator Carlos Pinna de Assis afirmou que a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) apresentou ao tribunal toda a documentação comprobatória de que o prazo concedido à empresa vencedora para que esta se adequasse ao serviço estava dentro do previsto. Os documentos foram apreciados pelos técnicos do TCE e pelo Ministério Público de Contas. "A própria Emsurb e a empresa Torre que não tinham sido chamadas pelo TCE, vieram trazer elementos documentais e isso foi bom pra todo mundo", explicou o conselheiro.

O Pleno do Tribunal de Contas do Estado (TCE) rejeitou, por unanimidade, o pedido de liminar da empresa Cavo para suspender o contrato da licitação da limpeza pública de Aracaju, em sessão nesta quinta-feira. Por isso, está mantida a execução do contrato com a empresa Torre, que foi a vencedora do processo licitatório do lote relacionado aos serviços de coleta, transporte e descarga de resíduos sólidos urbanos.
Em entrevista à imprensa, o conselheiro relator Carlos Pinna de Assis afirmou que a Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb) apresentou ao tribunal toda a documentação comprobatória de que o prazo concedido à empresa vencedora para que esta se adequasse ao serviço estava dentro do previsto. Os documentos foram apreciados pelos técnicos do TCE e pelo Ministério Público de Contas. "A própria Emsurb e a empresa Torre que não tinham sido chamadas pelo TCE, vieram trazer elementos documentais e isso foi bom pra todo mundo", explicou o conselheiro.