Marcha dos Trabalhadores Rurais chega à Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
COM FAIXAS PEDINDO A LIBERDADE DO EX-PRESIDENTE LULA, MANIFESTANTES ORGANIZADOS PELO MST E SINDICATOS RURAIS, CHEGARAM À ARACAJU NO FINAL DA MANHÃ E SEGUIRAM PARA A SEDE DO INCRA
COM FAIXAS PEDINDO A LIBERDADE DO EX-PRESIDENTE LULA, MANIFESTANTES ORGANIZADOS PELO MST E SINDICATOS RURAIS, CHEGARAM À ARACAJU NO FINAL DA MANHÃ E SEGUIRAM PARA A SEDE DO INCRA

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 26/07/2018 às 07:14:00

 

Em alusão ao Dia Nacional do Trabalhador Rural, centenas de sergipanos participaram na tarde de ontem da 16º Marcha Estadual dos Trabalhadores e Trabalhadas Rurais, em Aracaju. Mantendo a tradição que se arrasta desde julho de 1964, ainda no final da manhã caravanas oriundas de diversos municípios desembarcaram na Praça Ronaldo Calumby Barreto, no Conjunto Tiradentes, zona Norte da capital, onde de lá os agricultores seguiram em passeata até a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária de Sergipe (Incra), no bairro Santo Antônio.
De acordo com a direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em todo país esta é uma semana dedicada à intensificação de lutas em defesa do trabalho e dos direitos daqueles e daquelas que alimentam o Brasil. Entre a lista de reivindicações pautadas para este ano está a concessão de terras para a realização da reforma agrária, a liberdade do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, além de denunciar o desmonte das políticas públicas para a agricultura. Membros da Frente Brasil Popular, Levante Popular da Juventude, Consulta Popular, Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Movimento dos Atingidos do Barragens (MAB), apoiaram o ato.
Para o agricultor Antônio Passos Ramos, as pautas reivindicadas foram deliberadas pelos trabalhadores brasileiros para serem atendidas pelos governantes e pelo poder judiciário. Caso sequer sejam abertas roçadas de diálogo nacional, é possível que outras mobilizações unificadas sejam promovidas. "Não estamos aqui somente para lembrar está data que muitas passa longe de ser comemorativa. Estamos em busca de avanços, de medidas sensatas para as classes oprimidas por um poder que se diz democrático, mas apenas aplica essa democracia de dois em dois anos nas urnas. Nossa voz precisa e deve ser atendida", declarou.
Em virtude da mobilização, ruas e avenidas paralelas à sede do Incra ficaram parcialmente interditadas por mais de duas horas. Agentes da Superintendência Municipal de Transporte (SMTT), e da Companhia de Policiamento de Trânsito (CPTran) foram acionados para tentar minimizar o contratempo gerado no fluxo de veículos. O reflexo do transtorno foi sentido por motoristas e motociclistas que transitavam pelos bairros: Centro, 18 do Forte, Santo Antônio e Getúlio Vargas. Centrais sindicais e associações de trabalhadores do Baixo São Francisco reforçaram a marcha.
Carta - O ex-presidente Lula, preso em Curitiba (PR), escreveu uma mensagem em solidariedade aos agricultores de todo país e destacou os programas desenvolvidos no governo dele em prol do trabalhador rural. "Hoje é dia do trabalhador rural, que produz o alimento para a cidade. Meu abraço de solidariedade para todas as famílias de pequenos agricultores e camponeses que vivem no campo, lutando por dignidade.", disse. (Milton Alves Júnior)

Em alusão ao Dia Nacional do Trabalhador Rural, centenas de sergipanos participaram na tarde de ontem da 16º Marcha Estadual dos Trabalhadores e Trabalhadas Rurais, em Aracaju. Mantendo a tradição que se arrasta desde julho de 1964, ainda no final da manhã caravanas oriundas de diversos municípios desembarcaram na Praça Ronaldo Calumby Barreto, no Conjunto Tiradentes, zona Norte da capital, onde de lá os agricultores seguiram em passeata até a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária de Sergipe (Incra), no bairro Santo Antônio.
De acordo com a direção nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), em todo país esta é uma semana dedicada à intensificação de lutas em defesa do trabalho e dos direitos daqueles e daquelas que alimentam o Brasil. Entre a lista de reivindicações pautadas para este ano está a concessão de terras para a realização da reforma agrária, a liberdade do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, além de denunciar o desmonte das políticas públicas para a agricultura. Membros da Frente Brasil Popular, Levante Popular da Juventude, Consulta Popular, Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Movimento dos Atingidos do Barragens (MAB), apoiaram o ato.
Para o agricultor Antônio Passos Ramos, as pautas reivindicadas foram deliberadas pelos trabalhadores brasileiros para serem atendidas pelos governantes e pelo poder judiciário. Caso sequer sejam abertas roçadas de diálogo nacional, é possível que outras mobilizações unificadas sejam promovidas. "Não estamos aqui somente para lembrar está data que muitas passa longe de ser comemorativa. Estamos em busca de avanços, de medidas sensatas para as classes oprimidas por um poder que se diz democrático, mas apenas aplica essa democracia de dois em dois anos nas urnas. Nossa voz precisa e deve ser atendida", declarou.
Em virtude da mobilização, ruas e avenidas paralelas à sede do Incra ficaram parcialmente interditadas por mais de duas horas. Agentes da Superintendência Municipal de Transporte (SMTT), e da Companhia de Policiamento de Trânsito (CPTran) foram acionados para tentar minimizar o contratempo gerado no fluxo de veículos. O reflexo do transtorno foi sentido por motoristas e motociclistas que transitavam pelos bairros: Centro, 18 do Forte, Santo Antônio e Getúlio Vargas. Centrais sindicais e associações de trabalhadores do Baixo São Francisco reforçaram a marcha.

Carta - O ex-presidente Lula, preso em Curitiba (PR), escreveu uma mensagem em solidariedade aos agricultores de todo país e destacou os programas desenvolvidos no governo dele em prol do trabalhador rural. "Hoje é dia do trabalhador rural, que produz o alimento para a cidade. Meu abraço de solidariedade para todas as famílias de pequenos agricultores e camponeses que vivem no campo, lutando por dignidade.", disse. (Milton Alves Júnior)