Inclusão da pessoa com deficiência no mercado de trabalho é tímida, diz Lucas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 27/07/2018 às 08:30:00

 

O filho da dona de casa, Letícia Santos Silva, está desempregado há um ano e oito meses. Everton Santos possui deficiência auditiva desde a infância e tem enfrentado dificuldade para conseguir a recolocação no mercado de trabalho. Ele, assim como outras centenas de pessoas com deficiência participaram nesta quarta-feira, 25, do SuperAção, uma feira de empregabilidade promovida pelo Fórum de Inserção da Pessoa com Deficiência e Reabilitados no Mercado de Trabalho, do qual faz parte o projeto Aracaju Acessível, idealizado pelo vereador Lucas Aribé.
Ao todo, foram ofertadas mais de 550 vagas de emprego para PCDs. Para Lucas, as pessoas com deficiência estão mostrando sua capacidade, mas ainda poucos empregadores dão oportunidade de trabalho pensando na função social. "Apesar da importância e da obrigatoriedade legal, o acesso ao emprego ainda é pequeno, considerando que apenas 1% dos brasileiros com deficiência exerce um papel profissional, segundo o IBGE", afirma Lucas Aribé, que durante a programação ministrou oficina de Braille e cantou junto com o coral Terceira Visão da Associação dos Deficientes Visuais de Sergipe (Adevise). A equipe do parlamentar também sensibilizou os participantes quanto à campanha "Deixe a Calçada Livre para o Pedestre".
Durante o Superação, foram distribuídos panfletos da programação da 6ª edição da semana Aracaju Acessível, que acontece entre 16 e 23 de setembro. Com o tema 'Comunicar para Incluir', este ano o projeto propõe uma reflexão sobre como superar barreiras comunicativas que dificultam a inserção social da pessoa com deficiência, como explica Aribé.  "A programação está focada em chamar a atenção para a necessidade de toda a sociedade assumir o seu papel transformador no processo de construção de um mundo sem barreiras", resume.

O filho da dona de casa, Letícia Santos Silva, está desempregado há um ano e oito meses. Everton Santos possui deficiência auditiva desde a infância e tem enfrentado dificuldade para conseguir a recolocação no mercado de trabalho. Ele, assim como outras centenas de pessoas com deficiência participaram nesta quarta-feira, 25, do SuperAção, uma feira de empregabilidade promovida pelo Fórum de Inserção da Pessoa com Deficiência e Reabilitados no Mercado de Trabalho, do qual faz parte o projeto Aracaju Acessível, idealizado pelo vereador Lucas Aribé.
Ao todo, foram ofertadas mais de 550 vagas de emprego para PCDs. Para Lucas, as pessoas com deficiência estão mostrando sua capacidade, mas ainda poucos empregadores dão oportunidade de trabalho pensando na função social. "Apesar da importância e da obrigatoriedade legal, o acesso ao emprego ainda é pequeno, considerando que apenas 1% dos brasileiros com deficiência exerce um papel profissional, segundo o IBGE", afirma Lucas Aribé, que durante a programação ministrou oficina de Braille e cantou junto com o coral Terceira Visão da Associação dos Deficientes Visuais de Sergipe (Adevise). A equipe do parlamentar também sensibilizou os participantes quanto à campanha "Deixe a Calçada Livre para o Pedestre".
Durante o Superação, foram distribuídos panfletos da programação da 6ª edição da semana Aracaju Acessível, que acontece entre 16 e 23 de setembro. Com o tema 'Comunicar para Incluir', este ano o projeto propõe uma reflexão sobre como superar barreiras comunicativas que dificultam a inserção social da pessoa com deficiência, como explica Aribé.  "A programação está focada em chamar a atenção para a necessidade de toda a sociedade assumir o seu papel transformador no processo de construção de um mundo sem barreiras", resume.