Em Sergipe, as maiores vítimas de acidentes de trânsito no trabalho são motociclistas

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O estudo apontou 60 óbitos dos trabalhadores em duas rodas, entre os anos de 2007 e 2016
O estudo apontou 60 óbitos dos trabalhadores em duas rodas, entre os anos de 2007 e 2016

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 29/07/2018 às 00:51:00

Os motociclistas de Sergipe são os que mais morrem por acidentes de trânsito relacionados ao trabalho no estado. Os dados são de um levantamento inédito realizado pelo Ministério da Saúde com os dados dos Sistemas de Informação de Agravo e Notificações (SINAN) e do de Mortalidade (SIM). O estudo apontou 60 óbitos dos trabalhadores em duas rodas, entre os anos de 2007 e 2016. Contando com todos os tipos de transportes, Sergipe registrou 220 mortes no mesmo período. Para chegar a esta constatação, foram considerados os acidentes ocorridos quando o trabalhador tem uma função que envolve locomoção ou quando estava indo ou voltando do local de trabalho.   
Em onze anos, o número de notificações de acidentes de transporte relacionados ao trabalho, em Sergipe, foi de 687. Os anos de 2011 (151) e 2013 (113) foram os que apresentaram os maiores números de notificações para um único ano. Em 2017, os índices caíram 55,5% no estado, sendo registrados 12 acidentes quando comparados ao ano de 2016 (27).
Em toda a região Nordeste, foram registradas 2.911 mortes, sendo 752 de motoristas de carros e 572 de motociclistas - as maiores vítimas. Quando falamos em acidentes, a região Nordeste foi a terceira com o maior número de registros. Foram 19.226 acidentes entre os anos de 2007 e 2016, tendo o seu pico nos de 2016 (3.058) e 2015 (2.625). Em 2017, a região teve redução de 48,2% nas notificações, com 1.584 registros quando também comprado ao ano anterior.