PF apreende no Rio 43 quilos de pasta de cocaína destinada à Europa

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 31/07/2018 às 07:39:00

 

 Douglas Corrêa 
Agência Brasil  
 
Em operação conjunta, a Receita Federal e a Polícia Federal (PF) apreenderam 43 quilos de pasta base de cocaína no Porto do Rio de Janeiro. A droga teria vindo da Colômbia e embarcada em um contêiner com lacre estourado e posteriormente  falsificado entre o Porto de Montevidéu, no Uruguai, e o Porto do Rio de Janeiro. Do Rio, a droga teria como destino final a Europa.
A droga foi localizada durante uma fiscalização de rotina dos agentes da Receita Federal, que constataram o lacre falsificado no navio cargueiro. O contêiner foi separado e os cães farejadores da Receita e da PF localizaram a droga.
De acordo com José Francisco Pereira dos Reis, da Divisão de Repressão ao Contrabando e Descaminho da Receita Federal, a droga apreendida tem valor de pureza de 98% e, no mercado da Europa, estaria avaliada em mais de US$ 3 milhões.
As 43 embalagens em que foi acondicionada a droga traziam logotipos de marca de bebida e vestuário feminino, além de fotografia do falecido narcotraficante colombiano Pablo Escobar. Segundo Reis, a foto estampada de Escobar é de quando ele foi preso pela primeira vez na Colômbia e mostra como a figura dele ainda é respeitada naquele país: "não seria qualquer quadrilha do narcotráfico que estamparia uma foto dele em qualquer mercadoria."
Reis disse ainda que essas ações são feitas, na maioria das vezes, em alto-mar ou perto do porto, antes de o navio encostar para descarregar a mercadoria transportada. As quadrilhas são altamente especializadas - cada integrante tem função definida na organização. Além da Europa, costuma ser enviada para os Estados Unidos e para países do Oriente Médio.

Em operação conjunta, a Receita Federal e a Polícia Federal (PF) apreenderam 43 quilos de pasta base de cocaína no Porto do Rio de Janeiro. A droga teria vindo da Colômbia e embarcada em um contêiner com lacre estourado e posteriormente  falsificado entre o Porto de Montevidéu, no Uruguai, e o Porto do Rio de Janeiro. Do Rio, a droga teria como destino final a Europa.
A droga foi localizada durante uma fiscalização de rotina dos agentes da Receita Federal, que constataram o lacre falsificado no navio cargueiro. O contêiner foi separado e os cães farejadores da Receita e da PF localizaram a droga.
De acordo com José Francisco Pereira dos Reis, da Divisão de Repressão ao Contrabando e Descaminho da Receita Federal, a droga apreendida tem valor de pureza de 98% e, no mercado da Europa, estaria avaliada em mais de US$ 3 milhões.
As 43 embalagens em que foi acondicionada a droga traziam logotipos de marca de bebida e vestuário feminino, além de fotografia do falecido narcotraficante colombiano Pablo Escobar. Segundo Reis, a foto estampada de Escobar é de quando ele foi preso pela primeira vez na Colômbia e mostra como a figura dele ainda é respeitada naquele país: "não seria qualquer quadrilha do narcotráfico que estamparia uma foto dele em qualquer mercadoria."
Reis disse ainda que essas ações são feitas, na maioria das vezes, em alto-mar ou perto do porto, antes de o navio encostar para descarregar a mercadoria transportada. As quadrilhas são altamente especializadas - cada integrante tem função definida na organização. Além da Europa, costuma ser enviada para os Estados Unidos e para países do Oriente Médio.