Adelson quer comandar um pequeno partido

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O deputado estadual Adelson Barreto
O deputado estadual Adelson Barreto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 18/10/2012 às 02:59:00

Chico Freire
chicofreire@jornaldodiase.com.br

O deputado estadual Adelson Barreto (PSB) tem evitado falar sobre o processo que envolveu o seu "filho", o vereador eleito Tijoi Evangelista Barreto, o Adelson Barreto Filho (PSL). Segundo ele, o processo está sob a responsabilidade do advogado, e além disso foi aconselhado a não se reportar ao assunto.
Ele disse que não ficou surpreso com o resultado das eleições. "Foi tudo natural, para mim não houve novidade nenhuma e que foi tudo dentro daquilo que já se propagava na imprensa".

Sobre as eleições de 2014, disse ser muito cedo para tratar do assunto. "Eu sou um político lento. Eu não consigo enxergar anos à frente, a minha inteligência é limitada. Eu consigo enxergar é agora o ano que nós estamos. Faço planejamento pra agora para trabalhar muito hoje, trabalhar muito este ano, e as coisas para mim vão acontecendo, são consequência e não consigo avaliar o que vai acontece daqui a dois anos", ironizou, dizendo ser um político muito limitado e de pensar muito no presente. "Só consigo enxergar o ano de 2012 que é o ano em que estamos vivenciando e o meu planejamento chega no máximo a dezembro".

Novo partido - Adelson confirma que pretende deixar o PSB e que pretende comandar um novo partido em Sergipe. "Tenho muito carinho e respeito Valadares Filho, muito respeito pelo senador Valadares, mas nós chegamos a uma fase em que não caminhamos com a mesma linha de pensamento, e entendi que varias foram as razões em que eu me senti um tanto quanto alijado, e tudo nós apresentamos junto a Justiça do Estado e vou aguarda que a Justiça possa chegar a uma decisão", disse.

Ressalta o deputado que, se a Justiça lhe autorizar a sair do partido, vai pedir as pessoas que compreendam para que possa também, a exemplo de outras pessoas, ter a oportunidade de comandar um pequeno partido. "Só assim poderei fazer política do meu jeito, levar os meus simpatizantes, admiradores, os incentivadores, para que possa também fazer parte do mundo político de Aracaju e Sergipe".