Ana Lúcia presta apoio à greve de fome pela liberdade de Lula e contra os retrocessos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A deputada estadual Ana Lúcia na tribuna da Assembleia
A deputada estadual Ana Lúcia na tribuna da Assembleia

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 02/08/2018 às 10:41:00

Na sessão que marcou a retomada das atividades da Assembleia Legislativa de Sergipe no segundo semestre, a deputada Ana Lula realizou um contundente pronunciamento de solidariedade aos militantes que iniciaram ontem, 31 de julho, uma greve de fome em defesa da liberdade de Lula e contra todos os retrocessos impostos pelo Golpe à população brasileira.
 "Desde ontem seis trabalhadores realizam greve de fome pela revogação das leis que estão interditando a democracia!", apontou a parlamentar citando os companheiros: Frei Sérgio Görjen, do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Jaime Amorim, do MST de Pernambuco; Vilmar Pacífico, do MST do Paraná; Zonália Santos, do MST de Rondônia; Luiz Gonzaga Silva, o Gegê, da Central dos Movimentos Populares de São Paulo; e a sergipana de Poço Redondo, poetisa, educadora popular e militante do MPA, Rafaela Alves.
Ana Lula leu o manifesto assinado pelos seis militantes e entregue oficialmente ao STF e denunciou, por meio de um vídeo, a truculência do corpo de segurança do Supremo, que tentou impedir por meio da violência, a realização da entrevista coletiva sobre a greve de fome.
Referindo-se à Liderança de Frei Sérgio, Ana Lula lembrou "não adianta pensar na caminhada de Cristo. O Frei Sérgio fez uma bela caminhada. No primeiro semestre já havia realizado greve de fome contra a reforma da previdência. Agora está de novo em Praça Pública em greve de fome".
Ana Lúcia denunciou que "vivemos um Estado de Exceção, instituído a partir de um golpe parlamentar, desferido contra a presidenta Dilma, eleita com 54 milhões de votos, com o apoio de seis deputados e dos três senadores de Sergipe". A deputada ainda pontuou que não adianta ocupar a tribuna para apenas denunciar o desmonte do país, o desemprego, a desnacionalização, mas que é preciso denunciar que está havendo apoio e suporte a essa política.
Respaldando sua denúncia sobre a ofensiva reacionária, Ana Lula citou o caso dos professores da Universidade Federal do ABC (UFABC) Gilberto Maringoni, Giorgio Romano e Valter Pomar, que estão sendo investigados pela universidade por conta da participação dos mesmos no lançamento do Livro "A Verdade Vencerá", que traz uma longa entrevista com o ex-presidente Lula realizada por Ivana Jinkings, Juca Kfouri, Gilberto Maringoni e Maria Inês Nassif.