Acusado por assaltos na Serra de Itabaiana se entrega

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 04/08/2018 às 08:09:00

 

Jefferson dos Santos, 
23 anos, suspeito de 
chefiar um grupo criminoso que agia no Parque Nacional da Serra de Itabaiana (Agreste) se entregou à polícia ontem de manhã, acompanhado por familiares e um advogado. Ele compareceu à Delegacia de Areia Branca (Agreste) e foi encaminhado em seguida para a 1ª Delegacia Metropolitana (1ª DM), na capital. O próprio acusado admitiu que ficou cerca de dois meses escondido em matagais da região. 
De acordo com a Polícia Civil, ele estava foragido há cerca de seis meses e tinha dois mandados de prisão preventiva. São atribuídos ao grupo entre 40 e 50 assaltos, em pouco mais de um ano, contra visitantes da Serra, turistas, professores e até um policial militar, que estava no local com a família, e teve a arma roubada. Já de um grupo de pesquisadores do Rio de Janeiro, o grupo levou aparelho de GPS e um computador portátil.
Ainda segundo a polícia, o suspeito também teria participado da invasão do Parque dos Falcões, no dia 12 de novembro do ano passado, junto com outras cinco pessoas. Durante a ação, eles fizeram os funcionários reféns, espancaram, ameaçaram de morte e ainda tentaram estuprar uma mulher. O grupo também levou o dinheiro arrecadado com a visita de turistas, matou um filhote de gavião espécie pedrês e levou mais cinco aves.
No mês passado, no dia 20 de julho, a polícia realizou uma ação na região e conseguiu prender outras três pessoas e apreender três menores. Outros dois envolvidos com a quadrilha morreram em confrontos com a polícia. Ao ser preso, Jefferson alegou que não lidera o grupo e nem praticou os assaltos, principalmente o do Parque dos Falcões, mas decidiu se apresentar porque se sentia perseguido e com medo de morrer.

Jefferson dos Santos,  23 anos, suspeito de  chefiar um grupo criminoso que agia no Parque Nacional da Serra de Itabaiana (Agreste) se entregou à polícia ontem de manhã, acompanhado por familiares e um advogado. Ele compareceu à Delegacia de Areia Branca (Agreste) e foi encaminhado em seguida para a 1ª Delegacia Metropolitana (1ª DM), na capital. O próprio acusado admitiu que ficou cerca de dois meses escondido em matagais da região. 
De acordo com a Polícia Civil, ele estava foragido há cerca de seis meses e tinha dois mandados de prisão preventiva. São atribuídos ao grupo entre 40 e 50 assaltos, em pouco mais de um ano, contra visitantes da Serra, turistas, professores e até um policial militar, que estava no local com a família, e teve a arma roubada. Já de um grupo de pesquisadores do Rio de Janeiro, o grupo levou aparelho de GPS e um computador portátil.
Ainda segundo a polícia, o suspeito também teria participado da invasão do Parque dos Falcões, no dia 12 de novembro do ano passado, junto com outras cinco pessoas. Durante a ação, eles fizeram os funcionários reféns, espancaram, ameaçaram de morte e ainda tentaram estuprar uma mulher. O grupo também levou o dinheiro arrecadado com a visita de turistas, matou um filhote de gavião espécie pedrês e levou mais cinco aves.
No mês passado, no dia 20 de julho, a polícia realizou uma ação na região e conseguiu prender outras três pessoas e apreender três menores. Outros dois envolvidos com a quadrilha morreram em confrontos com a polícia. Ao ser preso, Jefferson alegou que não lidera o grupo e nem praticou os assaltos, principalmente o do Parque dos Falcões, mas decidiu se apresentar porque se sentia perseguido e com medo de morrer.