PMA vai apurar recusa de atendimento a criança em posto

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 05/08/2018 às 00:21:00

Milton Alves Júnior

A Secretaria Municipal de Saúde instaurou uma sindicância interna para apurar a denúncia apresentada por Evangelista Góis, pai de uma criança de apenas um mês de idade, a qual supostamente teve assistência negada por profissionais da Unidade de Saúde da Família João Cardoso Nascimento Junior, no bairo José Conrado de Araújo (zona oeste de Aracaju). De acordo com o denunciante, ele se dirigiu até a unidade na manhã da última sexta-feira, mas foi comunicado que o recém nascido não seria atendido em virtude da ficha médica do recém-nascido ter sumido do arquivo e a médica apenas realizaria a consulta com o prontuário em mãos.
"Nós estávamos com a consulta marcada e infelizmente chegamos no posto e tivemos essa surpresa que deixou a gente injuriado com o tamanho desrespeito. Uma criança que acabou de chegar ao mundo e já enfrentou o problema da saúde pública de Aracaju. Essa é a qualidade que o sistema oferece para a gente", lamentou. A fim de minimizar os riscos de perder a consulta, o pai garantiu que chegou antes das 8h - horário previsto para o atendimento. Ainda de acordo com o denunciante, a diretora do posto, fica no bairro Siqueira Campos, zona Oeste, apelou junto à profissional de medicina, mas não foi atendida.
"A diretora percebeu que houve erro por parte da administração e foi pedir à médica que realizasse a consulta, principalmente porque a criança estava nos meus braços chorando. Pois a médica não se sensibilizou com a situação e permaneceu rejeitando o atendimento. Todos se comoveram. Saímos da unidade sem o atendimento que precisávamos. Negligência geral naquele posto", protestou. Assim que deixou a unidade Evangelista Góis entrou em contato com a ouvidoria da Secretaria de Saúde e denunciou o caso. Ele pede ainda apoio por parte do Ministério Público Estadual.