Renata Spallicci dá dicas de como aproveitar a crise para começar a empreender ou crescer seu negócio

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 07/08/2018 às 04:31:00

A crise econômica e política no Brasil é uma das mais severas de todos os tempos, e as estatísticas são alarmantes: 13 milhões de desempregados segundo o IBGE e 60 milhões de pessoas inadimplentes em 2018, segundo o SERASA.

Neste cenário desfavorável, muitos pensam em empreender, começar um próprio negócio, já que o mercado está retraído e não tem contratado novos profissionais. Sabe-se no entanto que começar um novo negócio no Brasil também é uma via crucis, devido a alta carga tributária principalmente, e todos os desafios que o empreendedor de primeira viagem enfrenta, tanto que de cada 10 novos negócios, 6 fecham antes de completar 5 anos de abertura.

A Diretora Executiva do grupo farmacêutico Apsen, Renata Spallicci está há 15 anos envolvida diretamente com o mundo dos negócios, e enxerga oportunidades na crise: "é preciso entender que, como diz o jargão, enquanto muitos choram, as fábricas de lenço estão vendendo como nunca. O que é preciso é manter uma mente aberta, visionária, e enxergar aonde estão as oportunidades. A partir disso, quem deseja empreender deve ter a capacidade de se reinventar para atender a essa demanda, a esse mercado que ainda não havia sido atingido, e desenvolver produtos e soluções com esse formato".

O grupo Apsen é uma das maiores empresas do ramo farmacêutico do Brasil. Em  2017, o grupo obteve um faturamento de 650 milhões de Reais, e com visão de expansão em todos os aspectos para 2018 e anos vindouros.

Para aqueles que não dispõe de recursos financeiros para montar estrutura e contratar funcionários logo de imediato, Renata aponta que o digital, a internet, é uma boa alternativa. Empreender online é hoje uma interessante possibilidade para quem está começando: "a minha experiência de empreender online tem sido muito boa. Enxerguei a oportunidade e comecei a também investir no virtual, no marketing digital, nos infoprodutos. É muito mais barato, mas demanda também muita dedicação".