CPI da Saúde: secretária afirma que PMA está em dia com hospitais

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/08/2018 às 05:13:00

A secretária Municipal da Saúde, Waneska Barboza, foi ouvida ontem à tarde pelos vereadores que compõem a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga os repasses feitos entre a Prefeitura de Aracaju e hospitais filantrópicos, conhecida como ‘CPI da Saúde’. A audiência aconteceu ontem no plenário da Câmara. Durante a reunião, a secretária deu explicações sobre os atrasos em repasses e até superlotação – problemas apresentados pelos gestores dos hospitais filantrópicos da capital sergipana com financiamento compartilhado pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Tais questões foram citadas à própria CPI nos depoimentos dos representantes dos hospitais Cirurgia, Santa Isabel e São José.

Na sabatina com os vereadores, a secretária afirmou que a Prefeitura de Aracaju tem honrado com os compromissos firmados. Na oportunidade, ela também cobrou a construção de um hospital regional na capital para desafogar os hospitais filantrópicos e os municipais. De acordo com Waneska, um regional resolveria o problema da superlotação, principalmente, do Santa Isabel que atente 40% da população do Estado.

Antes de ser questionada diretamente pelos vereadores, a secretária falou durante 20 minutos sobre o contrato do município com os hospitais filantrópicos da capital, dividindo o tempo com o assessor jurídico da secretaria, que explicou tecnicamente sobre a metodologia de pagamento das faturas, que leva em consideração a produtividade de cada unidade de saúde. No final da reunião ordinária, ficou acordado entre os membros que a CPI irá ouvir os gestores da saúde do Estado e, inclusive, analisar uma nova possibilidade de chamar os profissionais do Hospital de Cirurgia.