“O cura da aldeia” – a peça

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/08/2018 às 05:48:00

* Raymundo Mello

(publicação de Raymundinho Mello, seu filho)

 

Todos os anos, a Igreja Católica dedica o 'mês de agosto' à reflexão sobre o tema “Vocações” – é o chamado 'mês vocacional'. Para este Mês Vocacional 2018 a 'Conferência Nacional dos Bispos do Brasil' (CNBB) propôs o tema “Seguir Jesus à luz da Fé” e o lema “Sei em quem acreditei” (cf. 2Tim 1,12b).

“Vocações” foi sempre um trabalho que muito tocou meu pai, o 'Memorialista Raymundo Mello'. Católico consciente e engajado, foi um dos fundadores, em 1977, do 'Serra Clube de Aracaju', hoje 'Movimento Vocacional Serra', cujo carisma é a assistência às vocações sacerdotais e religiosas, movimento eclesial que integrou até seu último dia de vida terrena (02/04/2017). Nos seus últimos meses entre nós, preparava um livro sobre os 40 anos do movimento na arquidiocese (agora já são 41), em parceria com o Companheiro Serra 'José Ginaldo de Jesus' e contando com minha modesta colaboração. Estamos dando continuidade ao trabalho e, com fé em Deus, iremos produzi-lo, a partir dos esboços deixados.

Muitos foram os seus escritos sobre o tema. Como este é um espaço dedicado a “Memórias”, trago para os leitores 'parte' do artigo que ele publicou na edição de 2 de agosto de 2016, intitulado “Agosto – Vocações”, 'uma memória vocacional'.

Escreveu Raymundo Mello:

“Bem jovem, assisti, encenada por uma companhia de teatro – bem modesta, em um circo daqueles que costumeiramente faziam temporada armados na 'Praça da Catinga' (hoje, praça da Bandeira) –, a peça intitulada “O cura da aldeia”. Anunciavam a peça dizendo tratar-se de uma homenagem a um padre que, tardiamente ordenado, fora nomeado cura (pároco) na cidade de Ars, na França, onde permaneceu, modestamente, desempenhando suas funções por cerca de 40 anos.

A cidade não tinha ligações religiosas com qualquer igreja – ali existia, sem apoio religioso há muitos anos, um templo abandonado, ocupado por animais, sem qualquer assistência. A presença do sacerdote, a princípio mal acolhido pela população, transformou a cidadezinha de Ars num grande e importante centro de divulgação da Igreja Católica, e o padre que ali desempenhou com simplicidade e muita fé o seu ministério passou a gozar da confiança do povo da cidade, através de uma pregação vivencial, coerente com o Cristo crucificado, alma da fé cristã católica do povo.

No princípio da peça teatral, um garoto de rua atendia a uma pergunta do padre que chegava, e o diálogo era mais ou menos assim:

- Filho, onde fica a igreja? E o garoto:

- Oxente! Um padre que não sabe onde fica a igreja? Vou ensinar o caminho. Ao que o padre respondeu:

- Hoje, você me ensina o caminho da igreja, amanhã, lhe ensino o caminho do céu.

Tempos depois, lendo em obra traduzida do Francês um livro sobre o 'Cura d’Ars', narrando os 40 anos do 'Padre João Maria Vianney' – hoje, santo da Igreja Católica – naquela cidade, entendi a história daquele homem de Fé autêntica que transformou sua cidade/paróquia em centro de evangelização e grandes peregrinações religiosas, até hoje, pelo exemplo e santidade de João Vianney, ele que é o padroeiro dos párocos e presbíteros.

Quando, em 1977, o senhor Arcebispo 'Dom Luciano Cabral Duarte' e seu então Bispo Auxiliar, 'Dom Edvaldo Gonçalves Amaral' convidaram a mim e outros católicos para a instalação em Aracaju do 'Serra Clube', hoje 'Movimento Vocacional Serra' – Leigos a serviço das Vocações Sacerdotais e Religiosas –, um dos primeiros exemplos citados era o do Padre João Vianney, mostrando que, com fé, muita oração e apoio vocacional aos jovens interessados, a Igreja voltaria a povoar seus Seminários com candidatos realmente fiéis ao chamamento do 'Senhor da Messe'.

O Movimento Vocacional Serra (ex Serra Clube) é uma das pastorais vocacionais mais atuantes e, no silêncio dos que servem ao Senhor [...].

Oportunamente, toda a vida do Serra, seus componentes, trabalhos e obras serão registrados para que a memória possa ser objeto de estudo, futuramente”.

 

* Raymundo Mello é Memorialista

raymundopmello@yahoo.com.br