Juiz libera fases de concurso para oficiais da PM

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 08/08/2018 às 07:37:00

 

O juiz da 1ª Vara Cível de São Cristóvão, Manoel Costa Neto, decidiu ontem liberar o andamento das fases do concurso para os cargos de oficial da Polícia Militar, mantendo a ordem para suspender o processo seletivo para soldado da corporação. A decisão foi despachada ontem, como desdobramento da liminar dada em 2 de agosto. 
De acordo com a decisão divulgada, o pedido foi feito por dois candidatos que participaram da prova objetiva e se sentiram prejudicados pela suspeita de fraude, descoberta com a prisão de dois pernambucanos flagrados com celulares dentro da sala de provas. Na decisão, o juiz Manoel Costa Neto destacou que a integridade do concurso havia sido afetada em razão da prisão de dois homens que tentaram fraudar a prova durante a execução do exame, mas que o problema afetou apenas o concurso para as 300 vagas de soldado da corporação. Para este certame, continuam suspensas as próximas etapas do concurso, com aplicação de multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento. 
A Secretaria Estadual de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag) informou que ainda não foi notificada da decisão, mas vai discutir medidas e alternativas a serem tomadas como resposta a esta nova decisão da Justiça. entretanto, alguns candidatos que passaram na prova escrita já reagiram e impetraram agravos de instrumento no Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), na tentativa de cassar a decisão. Os recursos estão em análise. 

O juiz da 1ª Vara Cível de São Cristóvão, Manoel Costa Neto, decidiu ontem liberar o andamento das fases do concurso para os cargos de oficial da Polícia Militar, mantendo a ordem para suspender o processo seletivo para soldado da corporação. A decisão foi despachada ontem, como desdobramento da liminar dada em 2 de agosto. 
De acordo com a decisão divulgada, o pedido foi feito por dois candidatos que participaram da prova objetiva e se sentiram prejudicados pela suspeita de fraude, descoberta com a prisão de dois pernambucanos flagrados com celulares dentro da sala de provas. Na decisão, o juiz Manoel Costa Neto destacou que a integridade do concurso havia sido afetada em razão da prisão de dois homens que tentaram fraudar a prova durante a execução do exame, mas que o problema afetou apenas o concurso para as 300 vagas de soldado da corporação. Para este certame, continuam suspensas as próximas etapas do concurso, com aplicação de multa de R$ 100 mil em caso de descumprimento. 
A Secretaria Estadual de Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag) informou que ainda não foi notificada da decisão, mas vai discutir medidas e alternativas a serem tomadas como resposta a esta nova decisão da Justiça. entretanto, alguns candidatos que passaram na prova escrita já reagiram e impetraram agravos de instrumento no Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), na tentativa de cassar a decisão. Os recursos estão em análise.