Médicos pressionam vereadores por acordo com PMA

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Médicos durante manifestação na calçada da Câmara de Vereadores
Médicos durante manifestação na calçada da Câmara de Vereadores

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 08/08/2018 às 07:48:00

 

Milton Alves Júnior
De braços cruzados  
desde o último dia 
20 de julho, profissionais da medicina que prestam serviços ao Sistema Único de Saúde se mobilizam na manhã de ontem em frente à Câmara Municipal de Aracaju, centro da capital, como forma de pressionar os vereadores a colaborar politicamente em favor da categoria. Com os salários congelados desde 2016, a classe trabalhadora segue com apenas 30% do efetivo nas unidades básicas de saúde. Conforme destacado desde o início da mobilização, os setores de urgência e emergência seguem procedendo sem alterações.
De acordo com a diretoria do Sindicato dos Médicos do Estado de Sergipe (Sindimed), o anúncio de reajuste 'zero' realizado no mês passado pela Prefeitura de Aracaju, atrelado à falta de esclarecimentos sobre a contratação de pessoas jurídicas para a prestação de serviços nas unidades de saúde, tem contribuído para que os profissionais mantenham o movimento que já prejudica mais de 50 mil usuários do sistema. A cada novo dia de greve ao menos mais três mil pessoas às quais buscam assistência nas unidades básicas de saúde retornam para casa sem atendimento.
Na manhã da última segunda-feira (06), os sindicalistas se mostraram interessados em participar de uma audiência extraordinária de conciliação. Uma medida a mais de tentar entrar em consenso com a administração municipal e minimizar os efeitos negativos sentidos principalmente pelos usuários do sistema. Diante da iniciativa sindical o Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe adotou a proposta e o desembargador Diógenes Barreto estabeleceu um prazo de 48h para que a Prefeitura se manifeste quanto ao pedido dos grevistas. Esse prazo, teoricamente, extinguiria hoje.
No início da tarde de ontem a gestão informou que ainda não havia sido notificada da decisão judicial é que somente se manifestaria oficialmente sobre o caso a partir de protocolada a medida. "Já que o prefeito Edvaldo costuma sair por aí dizendo que tem conversado com a gente, queremos saber qual será o posicionamento dele referente a essa audiência de conciliação. São dois anos sem reajuste e com sucessivas contratações sem concurso. Precisamos do apoio também dos vereadores", afirmou João Augusto, presidente sindical.
Sobre as dificuldades enfrentadas pelos aracajuanos o sindicalista solicitou que a própria população também ajude na mobilização. "Essa nossa luta é unificada em busca de melhoria do sistema. Melhoria para os trabalhadores, contratação de mais profissionais e qualificação do serviço. Precisamos do apoio dos pacientes e familiares", afirmou João Augusto. Uma nova assembleia da categoria está prevista para ocorrer na próxima quinta-feira, 09, na sede do Sindimed, em Aracaju, quando os profissionais decidem se suspendem ou seguem em greve por tempo indeterminado.

De braços cruzados   desde o último dia  20 de julho, profissionais da medicina que prestam serviços ao Sistema Único de Saúde se mobilizam na manhã de ontem em frente à Câmara Municipal de Aracaju, centro da capital, como forma de pressionar os vereadores a colaborar politicamente em favor da categoria. Com os salários congelados desde 2016, a classe trabalhadora segue com apenas 30% do efetivo nas unidades básicas de saúde. Conforme destacado desde o início da mobilização, os setores de urgência e emergência seguem procedendo sem alterações.
De acordo com a diretoria do Sindicato dos Médicos do Estado de Sergipe (Sindimed), o anúncio de reajuste 'zero' realizado no mês passado pela Prefeitura de Aracaju, atrelado à falta de esclarecimentos sobre a contratação de pessoas jurídicas para a prestação de serviços nas unidades de saúde, tem contribuído para que os profissionais mantenham o movimento que já prejudica mais de 50 mil usuários do sistema. A cada novo dia de greve ao menos mais três mil pessoas às quais buscam assistência nas unidades básicas de saúde retornam para casa sem atendimento.
Na manhã da última segunda-feira (06), os sindicalistas se mostraram interessados em participar de uma audiência extraordinária de conciliação. Uma medida a mais de tentar entrar em consenso com a administração municipal e minimizar os efeitos negativos sentidos principalmente pelos usuários do sistema. Diante da iniciativa sindical o Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe adotou a proposta e o desembargador Diógenes Barreto estabeleceu um prazo de 48h para que a Prefeitura se manifeste quanto ao pedido dos grevistas. Esse prazo, teoricamente, extinguiria hoje.
No início da tarde de ontem a gestão informou que ainda não havia sido notificada da decisão judicial é que somente se manifestaria oficialmente sobre o caso a partir de protocolada a medida. "Já que o prefeito Edvaldo costuma sair por aí dizendo que tem conversado com a gente, queremos saber qual será o posicionamento dele referente a essa audiência de conciliação. São dois anos sem reajuste e com sucessivas contratações sem concurso. Precisamos do apoio também dos vereadores", afirmou João Augusto, presidente sindical.
Sobre as dificuldades enfrentadas pelos aracajuanos o sindicalista solicitou que a própria população também ajude na mobilização. "Essa nossa luta é unificada em busca de melhoria do sistema. Melhoria para os trabalhadores, contratação de mais profissionais e qualificação do serviço. Precisamos do apoio dos pacientes e familiares", afirmou João Augusto. Uma nova assembleia da categoria está prevista para ocorrer na próxima quinta-feira, 09, na sede do Sindimed, em Aracaju, quando os profissionais decidem se suspendem ou seguem em greve por tempo indeterminado.