Deotap suspeita de mais envolvidos em fraudes no IPTU de Socorro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 09/08/2018 às 07:49:00

 

A Polícia Civil confirmou ontem mais informações sobre a investigação das fraudes no recolhimento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) na Prefeitura Municipal de Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju). Segundo a delegada Thais Lemos, diretora do Departamento de Crimes contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap), há a possibilidade de que outras pessoas, incluindo servidores comissionados do município, estejam envolvidas com o esquema criminoso, o qual, segundo as investigações, causou um prejuízo de quase R$ 1 milhão em impostos não recolhidos. 
O caso é investigado em um inquérito policial aberto a partir de um boletim de ocorrência prestado em setembro de 2016, quando uma mulher procurou a Secretaria da Fazenda local para reclamar que seus débitos de IPTU estavam em aberto, mas ela já tinha providenciado o pagamento, através de um despachante. Na ocasião, apurou-se que os comprovantes de pagamento dos boletos estavam falsificados. "Diante da complexidade da investigação e em razão de terem outros contribuintes supostamente beneficiados com essa fraude, a 5ª DM nos encaminhou o primeiro procedimento", disse Thais.
Conforme a delegada, o Deotap pediu que as provedoras de internet fornecessem os dados dos computadores que acessaram o sistema de dados do IPTU da Prefeitura de Socorro. Constatou-se que o sistema foi acessado mais de 300 vezes em locais de fora da estrutura do Município e em horários fora do expediente. Foi uma das pistas que levaram à prisão de dois suspeitos de envolvimento com o esquema: um despachante que recebia os pagamentos dos interessados e um ex-servidor comissionado que trabalhava na Sefaz de Socorro - e já foi despedido. (Gabriel Damásio)

A Polícia Civil confirmou ontem mais informações sobre a investigação das fraudes no recolhimento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) na Prefeitura Municipal de Nossa Senhora do Socorro (Grande Aracaju). Segundo a delegada Thais Lemos, diretora do Departamento de Crimes contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap), há a possibilidade de que outras pessoas, incluindo servidores comissionados do município, estejam envolvidas com o esquema criminoso, o qual, segundo as investigações, causou um prejuízo de quase R$ 1 milhão em impostos não recolhidos. 
O caso é investigado em um inquérito policial aberto a partir de um boletim de ocorrência prestado em setembro de 2016, quando uma mulher procurou a Secretaria da Fazenda local para reclamar que seus débitos de IPTU estavam em aberto, mas ela já tinha providenciado o pagamento, através de um despachante. Na ocasião, apurou-se que os comprovantes de pagamento dos boletos estavam falsificados. "Diante da complexidade da investigação e em razão de terem outros contribuintes supostamente beneficiados com essa fraude, a 5ª DM nos encaminhou o primeiro procedimento", disse Thais.
Conforme a delegada, o Deotap pediu que as provedoras de internet fornecessem os dados dos computadores que acessaram o sistema de dados do IPTU da Prefeitura de Socorro. Constatou-se que o sistema foi acessado mais de 300 vezes em locais de fora da estrutura do Município e em horários fora do expediente. Foi uma das pistas que levaram à prisão de dois suspeitos de envolvimento com o esquema: um despachante que recebia os pagamentos dos interessados e um ex-servidor comissionado que trabalhava na Sefaz de Socorro - e já foi despedido. (Gabriel Damásio)