Valadares Filho aponta soluções para os problemas enfrentados pelos sergipanos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 09/08/2018 às 08:06:00

 

O deputado Valadares Filho (PSB-SE), em pronunciamento feito ontem na Tribuna da Câmara, apontou uma série de soluções para os principais problemas que afligem a vida do sergipano.  Ele defende que a educação precisa ser prioridade, em todos os níveis, mas com atenção especial para educação básica. "Sabemos que a empregabilidade de nossos cidadãos depende do grau de instrução, desenvolvimento científico e tecnológico", ressalta o parlamentar sergipano.
O Estado de Sergipe possui o maior índice de analfabetos da Região Nordeste; e, em âmbito nacional, ocupa a quinta posição. Para Valadares Filho, esse é o maior indício do atraso, pois não pode haver crescimento econômico se não há valorização da educação.
Já na área de saúde, Valadares Filho afirma que é necessário fazer uma auditoria imediata nas contas da área de saúde. Essa auditoria deve envolver a Controladoria do Estado, o Tribunal de Contas e o Ministério Público. "É preciso identificar os problemas e resolvê-los", afirma o parlamentar.
 O deputado destaca ainda é preciso acertar as contas com o passado, mas só isso não basta. "É preciso construir o futuro com zelo pelos recursos públicos, com o devido funcionamento dos conselhos de saúde previstos em lei; cumprimento das normas do SUS; informação on line a respeito de licitações, contratos, empenhos e pagamentos", ressalta.
A situação da saúde em Sergipe é precária. Faltam medicamentos; há filas gigantescas nos corredores do hospital de urgência; péssimo atendimento nos hospitais regionais; uma superlotação que revela a ausência de ações da atenção básica à saúde; R$ 130 milhões mensais para pagamento a servidores comissionados. Os recursos efetivamente empregados em saúde são inferiores ao mínimo exigido por lei. São aplicados 10,24%, enquanto a lei determina que deve ser, ao menos, 12%. Em suma, a prova de que não tem havido prevenção de doenças. Para Valadares Filho, tanto há falta de planejamento quanto a gestão é ineficiente.

O deputado Valadares Filho (PSB-SE), em pronunciamento feito ontem na Tribuna da Câmara, apontou uma série de soluções para os principais problemas que afligem a vida do sergipano.  Ele defende que a educação precisa ser prioridade, em todos os níveis, mas com atenção especial para educação básica. "Sabemos que a empregabilidade de nossos cidadãos depende do grau de instrução, desenvolvimento científico e tecnológico", ressalta o parlamentar sergipano.
O Estado de Sergipe possui o maior índice de analfabetos da Região Nordeste; e, em âmbito nacional, ocupa a quinta posição. Para Valadares Filho, esse é o maior indício do atraso, pois não pode haver crescimento econômico se não há valorização da educação.
Já na área de saúde, Valadares Filho afirma que é necessário fazer uma auditoria imediata nas contas da área de saúde. Essa auditoria deve envolver a Controladoria do Estado, o Tribunal de Contas e o Ministério Público. "É preciso identificar os problemas e resolvê-los", afirma o parlamentar.
 O deputado destaca ainda é preciso acertar as contas com o passado, mas só isso não basta. "É preciso construir o futuro com zelo pelos recursos públicos, com o devido funcionamento dos conselhos de saúde previstos em lei; cumprimento das normas do SUS; informação on line a respeito de licitações, contratos, empenhos e pagamentos", ressalta.
A situação da saúde em Sergipe é precária. Faltam medicamentos; há filas gigantescas nos corredores do hospital de urgência; péssimo atendimento nos hospitais regionais; uma superlotação que revela a ausência de ações da atenção básica à saúde; R$ 130 milhões mensais para pagamento a servidores comissionados. Os recursos efetivamente empregados em saúde são inferiores ao mínimo exigido por lei. São aplicados 10,24%, enquanto a lei determina que deve ser, ao menos, 12%. Em suma, a prova de que não tem havido prevenção de doenças. Para Valadares Filho, tanto há falta de planejamento quanto a gestão é ineficiente.