'Hamlet', um espetáculo da Armazém Companhia de Teatro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 17/08/2018 às 08:25:00

 

Acostumada a processos que resultam na criação de uma dramaturgia própria, a Armazém Companhia de Teatro se volta agora para um outro tipo de processo, onde o que mais interessa é o seu posicionamento sobre a narrativa. Partindo da obra fundamental de Shakespeare, a companhia se propõe ao encontro com um Hamlet do tempo presente, cheio de som e fúria, submerso no coquetel de conflitos próprios das grandes cidades do mundo. 
Patrocinada pela Petrobras desde o ano 2000, a companhia completou 30 décadas de existência no final de 2017, travando um complexo diálogo criativo com um dos melhores materiais dramatúrgicos da história. Hamlet é o príncipe da Dinamarca. Apenas um mês separa a morte repentina e inexplicável de seu pai e o novo casamento de sua mãe. O príncipe vislumbra o fantasma paterno, envenenado pelo irmão, e exige que Hamlet mate o assassino coroado Rei. Fingindo-se louco, Hamlet encarna a loucura do mundo. 
O diretor Paulo de Moraes acredita que o texto de Shalespeare não poderia ser mais atual. "É importante tratar Shakespeare como se ele fosse um dramaturgo recém-descoberto, com algumas coisas urgentes a dizer sobre a guerra, sobre a loucura do mundo e sobre nossos líderes políticos modernos".
Hamlet recebeu o Prêmio Cesgranrio de Teatro 2017, na categoria de Melhor Iluminação, além de ter sido indicado nas categorias de Melhor Espetáculo, Direção, Cenografia, Iluminação, Figurino e Categoria Especial (pela Trilha Sonora Original). Também recebeu o Prêmio Shell 2017 de Melhor Cenário, além de indicações para Melhor Direção e Melhor Iluminação. No Prêmio APTR, o espetáculo recebeu os prêmios de Melhor Atriz Coadjuvante (Lisa Eiras) e Melhor Cenário, além de indicações nas categorias de Melhor Espetáculo, Direção, Atriz, Iluminação e Figurino. Hamlet também recebeu o Prêmio Cenym 2017 de Melhor Atriz (Patrícia Selonk) e Melhor Companhia de Teatro. 
A versão cênica de Paulo de Moraes para a obra-prima de William Shakespeare será apresentada em em Aracaju, nos dias 17 a 19 de agosto, em brevíssima temporada  no Teatro Tobias Barreto.

Acostumada a processos que resultam na criação de uma dramaturgia própria, a Armazém Companhia de Teatro se volta agora para um outro tipo de processo, onde o que mais interessa é o seu posicionamento sobre a narrativa. Partindo da obra fundamental de Shakespeare, a companhia se propõe ao encontro com um Hamlet do tempo presente, cheio de som e fúria, submerso no coquetel de conflitos próprios das grandes cidades do mundo. 
Patrocinada pela Petrobras desde o ano 2000, a companhia completou 30 décadas de existência no final de 2017, travando um complexo diálogo criativo com um dos melhores materiais dramatúrgicos da história. Hamlet é o príncipe da Dinamarca. Apenas um mês separa a morte repentina e inexplicável de seu pai e o novo casamento de sua mãe. O príncipe vislumbra o fantasma paterno, envenenado pelo irmão, e exige que Hamlet mate o assassino coroado Rei. Fingindo-se louco, Hamlet encarna a loucura do mundo. 
O diretor Paulo de Moraes acredita que o texto de Shalespeare não poderia ser mais atual. "É importante tratar Shakespeare como se ele fosse um dramaturgo recém-descoberto, com algumas coisas urgentes a dizer sobre a guerra, sobre a loucura do mundo e sobre nossos líderes políticos modernos".
Hamlet recebeu o Prêmio Cesgranrio de Teatro 2017, na categoria de Melhor Iluminação, além de ter sido indicado nas categorias de Melhor Espetáculo, Direção, Cenografia, Iluminação, Figurino e Categoria Especial (pela Trilha Sonora Original). Também recebeu o Prêmio Shell 2017 de Melhor Cenário, além de indicações para Melhor Direção e Melhor Iluminação. No Prêmio APTR, o espetáculo recebeu os prêmios de Melhor Atriz Coadjuvante (Lisa Eiras) e Melhor Cenário, além de indicações nas categorias de Melhor Espetáculo, Direção, Atriz, Iluminação e Figurino. Hamlet também recebeu o Prêmio Cenym 2017 de Melhor Atriz (Patrícia Selonk) e Melhor Companhia de Teatro. 
A versão cênica de Paulo de Moraes para a obra-prima de William Shakespeare será apresentada em em Aracaju, nos dias 17 a 19 de agosto, em brevíssima temporada  no Teatro Tobias Barreto.