Grupo Os Tabareus leva melodia e dança para o Quinta Instrumental

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 18/08/2018 às 07:34:00

 

A junção da melodia do trompete, trombone, violão, pandeiro, bateria e do cavaquinho tem o dom de encantar plateias. Foi desta forma que foi realizada mais uma edição do 'Quinta Instrumental', na noite desta quinta-feira, 16, com a apresentação do quinteto sergipano 'Os Tabaréus'. O projeto é idealizado pela Prefeitura de Aracaju, por meio da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju), e acontece no Teatro João Costa, do Centro Cultural.
Referência no cenário instrumental sergipano há cinco anos, os donos da noite homenagearam os ritmos brasileiros. "Abrimos o espetáculo com a música Brejeiro, do compositor Ernesto Nazareth, que é um choro tradicional da virada do século XIX para o XX que levou o nosso arranjo. Pudemos misturar o baião e maxixe, ritmo conhecido, por alguns, como tango brasileiro, trazendo a proposta de conduzir o chorinho a um ambiente mais dançante, lembrando o choro de gafieira", ressaltou um dos integrantes do grupo 'Os Tabaréus', Alexandre Azevedo.
O violonista relatou também sobre a experiência de tocar, pela segunda vez, no 'Quinta Instrumental'. "É muito bacana estar novamente neste projeto que tem a proposta de promover a música instrumental em Aracaju. Isso é benéfico para todos, não só aos músicos que estão sendo valorizados, como a população que tem acesso gratuito a música de qualidade, incentivando a formação de novos músicos", disse Alexandre.
Durante o espetáculo, o músico Alexandre Azevedo pediu licença ao público e apresentou a novidade da noite. "Estávamos guardando essa surpresa para o final do espetáculo e é com muita honra que apresento o nosso projeto 'Samba de Gafieira' com um show a parte dos bailarinos que, através da dança, irão mostrar um pouquinho do nosso ritmo brasileiro", anunciou.
Para a universitária Noely Lemos, o show do grupo 'Os Tabaréus' foi interativo do início ao fim,conduzindo a plateia a participar da apresentação. "É a primeira vez que prestigio o evento e amei o projeto. O grupo empolgou todos com um repertório rico e dançante. Estava o tempo todo aplaudindo ou cantando. Fora a apresentação dos bailarinos que foi espetacular e que casou perfeitamente com a noite", vibrou.

A junção da melodia do trompete, trombone, violão, pandeiro, bateria e do cavaquinho tem o dom de encantar plateias. Foi desta forma que foi realizada mais uma edição do 'Quinta Instrumental', na noite desta quinta-feira, 16, com a apresentação do quinteto sergipano 'Os Tabaréus'. O projeto é idealizado pela Prefeitura de Aracaju, por meio da Fundação Cultural Cidade de Aracaju (Funcaju), e acontece no Teatro João Costa, do Centro Cultural.
Referência no cenário instrumental sergipano há cinco anos, os donos da noite homenagearam os ritmos brasileiros. "Abrimos o espetáculo com a música Brejeiro, do compositor Ernesto Nazareth, que é um choro tradicional da virada do século XIX para o XX que levou o nosso arranjo. Pudemos misturar o baião e maxixe, ritmo conhecido, por alguns, como tango brasileiro, trazendo a proposta de conduzir o chorinho a um ambiente mais dançante, lembrando o choro de gafieira", ressaltou um dos integrantes do grupo 'Os Tabaréus', Alexandre Azevedo.
O violonista relatou também sobre a experiência de tocar, pela segunda vez, no 'Quinta Instrumental'. "É muito bacana estar novamente neste projeto que tem a proposta de promover a música instrumental em Aracaju. Isso é benéfico para todos, não só aos músicos que estão sendo valorizados, como a população que tem acesso gratuito a música de qualidade, incentivando a formação de novos músicos", disse Alexandre.
Durante o espetáculo, o músico Alexandre Azevedo pediu licença ao público e apresentou a novidade da noite. "Estávamos guardando essa surpresa para o final do espetáculo e é com muita honra que apresento o nosso projeto 'Samba de Gafieira' com um show a parte dos bailarinos que, através da dança, irão mostrar um pouquinho do nosso ritmo brasileiro", anunciou.
Para a universitária Noely Lemos, o show do grupo 'Os Tabaréus' foi interativo do início ao fim,conduzindo a plateia a participar da apresentação. "É a primeira vez que prestigio o evento e amei o projeto. O grupo empolgou todos com um repertório rico e dançante. Estava o tempo todo aplaudindo ou cantando. Fora a apresentação dos bailarinos que foi espetacular e que casou perfeitamente com a noite", vibrou.